Governo Bolsonaro

Ministro ataca Fiocruz e diz que 'não confia' em estudo sobre drogas, engavetado pelo governo

Osmar Terra diz não ver 'validade científica' em levantamento feito pela instituição e que custou R$ 7 milhões aos cofres públicos

28/05/2019 09h44Atualizado há 3 semanas
Por: Folha
Fonte: O Globo
Foto Reprodução
Foto Reprodução

Ao longo de três anos, a  Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) fez 16 mil entrevistas e destacou 500 pesquisadores para desenvolver o 3º Levantamento  Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira. Trata-se de uma espécie de censo do consumo de substâncias lícitas e ilícitas no Brasil. Dada sua abrangência, o estudo custa caro: R$ 7 milhões, pagos pelo governo — que engavetou a pesquisa, impedindo sua divulgação pela Fiocruz.

 

A fundação ganhou o edital para fazer o estudo em 2014 (e concluiu em 2017), bem como venceu as licitações para os dois levantamentos anteriores. O veto à publicação desta edição surpreendeu o meio científico. Não é ilegal — uma cláusula no contrato diz que a pesquisa só pode ser divulgada com a anuência da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas ( Senad ), órgão ligado ao Ministério da Justiça .

Para pesquisadores e especialistas da área, porém, o estudo teria sido engavetado por outro motivo: o estudo não confirma a existência de uma epidemia de drogas no país, como costuma professar o ministro da Cidadania , Osmar Terra .

Se oficialmente a Senad alega que a pesquisa não é divulgada porque a Fiocruz não teria cumprido exigências do edital, o ministro, por outro lado, parece confirmar o que suspeitam os especialistas ao atacar a instituição e alegar que a pesquisa não comprova o que se vê "nas ruas":

CASTELINHO DA FIOCRUZ

 

RI Rio de Janeiro (RJ) 29/06/2018. Castelinho da Fiocruz faz 100 anos. Cópia do Castelo de Alhambra, em Granada, Espanha. Foto Custodio Coimbra Foto: Custódio Coimbra / Agência O Globo

RI Rio de Janeiro (RJ) 06/07/2018. Castelinho da Fiocruz faz 100 anos. Biblioteca dos livros raros. Tarcilla Peruzzo , técnica em saúde pública. Foto Custodio Coimbra Foto: Custódio Coimbra / Agência O Globo

— Eu não confio nas pesquisas da Fiocruz — diz Terra, em entrevista ao GLOBO, para em seguida explicar seu raciocínio: — Se tu falares para as mães desses meninos drogados pelo Brasil que a Fiocruz diz que não tem uma epidemia de drogas , elas vão dar risada. É óbvio para a população que tem uma epidemia de drogas nas ruas. Eu andei nas ruas de Copacabana, e estavam vazias. Se isso não é uma epidemia de violência que tem a ver com as drogas, eu não entendo mais nada. Temos que nos basear em evidências.

Em resposta, a Fiocruz divulgou comunicado em que defende a metodologia da pesquisa e diz que o trabalho obedeceu aos critérios estabelecidos pelo edital ( leia mais abaixo ).

 

Prestígio internacional

Indagado sobre o fato de a pesquisa da Fiocruz compilar evidências que poderiam balizar políticas públicas sobre drogas, o ministro diz que, segundo a Senad, o estudo "não tem validade científica". Quando questionado sobre o prestígio internacional da instituição justamente por seu rigor científico, ele responde:

— É prestigiada para fazer vacina, para fazer pesquisa de medicamento. Agora, para droga, ela tem um viés ideológico de liberação das drogas. 

 

Osmar Terra tem tomado à frente quando se trata da política sobre drogas no governo Bolsonaro . Ele é um dos autores do decreto, assinado em abril passado, da nova Política Nacional sobre Drogas (Pnad) , que prevê foco em abstinência no tratamento de dependentes químicos. O ministro também viu ser aprovado no Senado, há pouco mais de dez dias, um projeto de lei que apresentou quando deputado. O texto altera a Lei de Drogas e inclui, por exemplo, a internação involuntária para dependentes químicos.

AGU vai mediar impasse

Diante do engavetamento da pesquisa e dos ataques do governo à instituição, a Fiocruz acionou a Advocacia Geral da União (AGU) que, por sua vez, convocou sua câmara de conciliação, responsável por intermediar impasses entre órgãos públicos. Vai-se decidir se a pesquisa será divulgada com a chancela da Senad, ou rejeitada. Neste caso, a Fiocruz pode ter de refazer o estudo ou devolver os R$ 7 milhões ao governo.

 

O ministro diz que "não usaria" a metodologia adotada pela Fiocruz:

— É uma pesquisa baseada em algumas cidades. Na prática, fala que o número de pessoas que usam drogas é pequeno. É uma metodologia que eu não usaria, uma opinião de quem é do ramo. Na minha opinião, as pesquisas da Fiocruz estão sendo montadas para provar que não tem epidemia (de uso de drogas no Brasil). Agora, anda na rua no Rio de Janeiro e vê a quantidade crescente de pessoas se drogando nas ruas. Se isso não é uma epidemia, eu não entendo mais nada do que é epidemia.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Brasília - DF
Atualizado às 04h42
15°
Alguma nebulosidade Máxima: 27° - Mínima: 13°
15°

Sensação

4 km/h

Vento

82%

Umidade

Fonte: Climatempo
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias