Lava Jato

Reinaldo Azevedo: 'A Lava Jato não pode limpar o Brasil, porque sua água é podre.'

Azevedo manteve em seu discurso a afirmativa de que é liberal e antagônico a Lula

11/06/2019 18h06Atualizado há 3 meses
Por: Folha
Foto Reprodução
Foto Reprodução

O jornalista Reinaldo Azevedo foi um dos mais ferrenhos críticos do ex-presidente Lula, chegando a ser estúpido em alguns momentos, porém, desde a prisão de ex-presidente, viu na Lava Jato uma ação coordenada que viria destruir o tecido político do país, nos levando à iminência da morte completa da democracia moribunda do Brasil escolheu o lado certo da história. Então, passou a defender a inocência de Lula, visto que não reconheceu provas suficientes para sua condenação em nenhum dos processos.

A mudança de posição do jornalista foi realmente admirável, não por uma questão oportunista, ao contrário, Azevedo manteve em seu discurso a afirmativa de que é liberal e antagônico a Lula. O jornalista simplesmente passou a defender o que achou justo, mesmo sendo totalmente contra ao público cheio de ódio que cultivou. O reconhecimento de sua posição vem agora, com o surgimento de provas cabais da ilegalidade e da perseguição política no estado de exceção jurídico que se instalou e por isso, escreveu:

“Não há como a Lava Jato limpar o Brasil porque sua água está contaminada, e o que nasce no solo por ela regado está envenenado. Desde os primeiros meses da operação, apontei seu desprezo pelo Estado de Direito; sua parceria indevida com setores da imprensa no vazamento seletivo de informações; a atuação com claro viés político de procuradores e do então juiz Sérgio Moro; a vocação para o espetáculo; a determinação de demonizar a política; a constituição do que me parecia, de maneira inequívoca, um projeto de poder, consubstanciado no que apelidei de “Papol” — Partido da Polícia —, integrado por membros do MPF, da Polícia Federal e do Judiciário. E, como não é segredo para ninguém, afirmei mais de uma vez que lava-jatismo estava na raiz da ascensão de Jair Bolsonaro como candidato viável. Eis aí o ex-juiz como ministro da Justiça daquele que não precisou concorrer com Lula porque o petista estava preso, já condenado em segunda instância.”

 

Portanto, conclui de forma admirável para uma pessoa liberal, que Lula tinha o direito de ter concorrido às eleições que, então, foram fraudada.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias