Kajuru

Kajuru pede desculpas por usar palavrão e afirma que pode renunciar até segunda-feira

O primeiro suplente de senador de Jorge Kajuru é o advogado Benjamin Beze Júnior (PRP). Ele figurava entre os 10 candidatos mais ricos em Goiás nas últimas eleições.

05/07/2019 11h56
Por: Folha
Fonte: Revista Forúm
Foto Reprodução
Foto Reprodução

O senador Jorge Kajuru (sem partido-GO) afirmou, através de sua conta do Twitter, na manhã desta sexta-feira (5), que pode renunciar até segunda-feira.

POIS NÃO HÁ RECONHECIMENTO. MUITOS GOSTAM DO MALANDRO, CORRUPTO, FALSO E HIPÓCRITA. DE HOJE ATÉ SEGUNDA CONCLUO SE I MELHOR É RENUNCIAR MESMO.

Além disso, Kajuru pediu desculpas, por ter usado palavra de baixo nível em entrevista nesta quinta-feira.

 QUANDO ERRO, VOLTO ATRÁS RÁPIDO. PEÇO DESCULPAS PELA PALAVRA DE BAIXO NÍVEL QUE USEI. É QUE SER COVARDEMENTE INJUSTIÇADO DÓI DEMAIS, TRABALHAR E FAZER O QUE FAÇO, ABRIR MÃO DE TUDO, MAS NÃO DÁ RAZÃO DE APELAR. SÓ QUE...

O senador Jorge Kajuru (sem partido-GO), que deixou o PSB nesta terça-feira, após votar a favor do decreto de armas do presidente Jair Bolsonaro (PSL-GO), disse em entrevista a um blog de direita repetidas vezes querer que seus eleitores se fodam.

Após ser questionado sobre o motivo pelo qual não obedeceu ao resultado da enquete que fez sobre os decretos das armas, o que lhe rendeu comentários negativos de seus eleitores, o parlamentar respondeu que “se algum dos comentários me desrespeitar, não entender a minha opinião, eu quero que ele se foda”.

Suplente rico

O primeiro suplente de senador de Jorge Kajuru é o advogado Benjamin Beze Júnior (PRP). Ele figurava entre os 10 candidatos mais ricos em Goiás nas últimas eleições. O advogado afirmou à Justiça Eleitoral ter patrimônio de R$ 19,1 milhões.

Dissidente

Kajuru decidiu aceitar o convite do PSB para sair do partido. A decisão foi tomada nesta terça-feira, após longa reunião com o presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira (PE), que já foi hostilizado publicamente pelo senador, mas desta vez ganhou elogios e a garantia de que o jornalista goiano não vai para nenhum outro partido.

“Respeito a história do PSB. Mas, como o partido não concordou com o meu voto sobre o decreto das armas, eu preferi sair. Eu procurei o partido e agradeci a um dos homens mais éticos e honrados do País, Carlos Siqueira”, anunciou Kajuru, que, na semana passada, mandou Siqueira para o “raio que o parta”.

Kajuru resolveu aprovar o decreto após propor pequenas alterações no texto original.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias