Tabata Amaral

‘Com a formação que eu tenho, consigo emprego onde quiser’, diz Tabata Amaral

A deputada do PDT, que gerou debate nesta semana por ter votado a favor da reforma da previdência, mesmo sendo de oposição ao governo, defendeu sua postura em entrevista ao Intercept: ‘Seria muito mais fácil virar para as redes sociais, falar que sou contra a Previdência e ser adorada por isso. Se com isso eu me tornar impopular e não for reeleita, beleza’

13/07/2019 18h22
Por: Redação
Fonte: The Intercept
A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) no plenário da Câmara dos Deputados durante votação do projeto de reforma da Previdência, em Brasília. Foto: Pedro Ladeira/Folhapress
A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) no plenário da Câmara dos Deputados durante votação do projeto de reforma da Previdência, em Brasília. Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Por Amanda Audi, The Intercept:

A deputada federal Tabata Amaral estava visivelmente cansada durante a sessão de votação da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, na quarta-feira. Ao contrário do que costuma fazer, pouco ficou no plenário e evitou contato com colegas. A deputada vinha de um longo processo de embates dentro do próprio partido, o PDT, em que o tom subiu a ponto de ela ser ameaçada de expulsão. Tabata votou a favor da reforma, e o PDT decidiu, há meses, que votaria contra. O projeto foi aprovado em primeiro turno na Câmara.

No dia anterior, em uma reunião da bancada do partido, o presidente Carlos Lupi havia deixado clara a sua posição. “Que bom que estamos reunidos”, disse ele, segundo duas pessoas que estavam presentes me contaram. “Vamos guardar com carinho esse momento porque pode ser a última vez que estaremos juntos com essa formação”. Tabata Amaral estava lá e sabia que o recado era para ela. Ainda assim, reafirmou sua posição.

Lupi ouviu. Depois, virou a madrugada tentando convencer outros parlamentares que também queriam votar a favor da reforma. Também durante a tarde, ela divulgou nas redes sociais um vídeo dizendo que seu voto era “com consciência, não um voto vendido” e um compilado dos argumentos que justificaram sua posição. “Ser de esquerda não pode significar ser contra um projeto que pode tornar o Brasil mais inclusivo e mais desenvolvido”, justificou no vídeo. Ela defende mudanças no regime de aposentadorias de servidores públicos, mulheres e professores.

No dia da votação, o nome de Tabata chegou ao topo dos trending topics do Twitter e virou meme. Defensores da reforma da Previdência a usavam como exemplo da esquerda moderada ou pragmática; já os opositores usavam seu posicionamento para dizer que ela nunca foi de esquerda ou sugerir, ironicamente, que ela se filie ao Partido Novo, sigla liberal representante do que chama de “nova política”, alinhada ao governo Bolsonaro. No fim da tarde de quarta, ela deu seu voto favorável à reforma, assim como outros sete dissidentes do PDT. Chamados pelo líder do partido na Câmara, o cearense André Figueiredo, de “futuros traidores”, todos sofrerão um processo administrativo dentro do PDT.

Aos 25 anos e no primeiro mandato, Tabata Amaral se tornou, em 2019, um dos nomes mais relevantes na Câmara dos Deputados. Foi a responsável pelo esculacho que o ex-ministro da Educação Ricardo Vélez Rodríguez tomou em uma audiência pública, evidenciando seu despreparo – ele seria demitido oito dias depois. Seu sucessor, Abraham Weintraub, também foi emparedado pela deputada. Registradas em vídeos, as cobranças sobre seu tema favorito – a educação – viralizaram e a alçaram ao posto de nova aposta da esquerda. Mas ela nunca foi unanimidade nesse campo político, nem mesmo dentro do próprio partido.

‘Se com isso eu me tornar impopular e não ser reeleita, beleza. Com a formação que eu tenho, consigo emprego onde eu quiser.’

Pelas posições dissonantes e pelo protagonismo que conquistou em poucos meses de mandato, Tabata se tornou um nome controverso entre os colegas. Ela é considerada importante pela reorganização do PDT em São Paulo, que há tempos não tinha nomes fortes na política, mas, em Brasília, é vista com ressalvas por alas do partido. O assunto era tratado em banho-maria até as vésperas da votação da Previdência, mas se escancarou na semana passada.

No dia seguinte à aprovação do texto em primeiro turno, a hashtag #TabataTraidora chegou aos TTs. Na primeira vez que estive com ela, em maio, ela não se mostrou preocupada com as críticas. “Seria muito mais fácil virar para as redes sociais, falar que sou contra a Previdência e ser adorada por isso. No momento, o governo me odeia e a esquerda também”, me disse. “Se com isso eu me tornar impopular e não ser reeleita, beleza. Com a formação que eu tenho, consigo emprego onde eu quiser. Eu volto a trabalhar e continuo o ativismo de outros lugares”.

A lógica Lemann

A data marcada para o meu primeiro encontro com Tabata Amaral era 15 de maio, o mesmo dia em que estavam marcados os protestos contra os cortes na educação. Ela, porém, não iria para rua: seu compromisso era uma audiência pública em que o ministro Weintraub explicaria o contingenciamento de verbas que atingiu 30% do orçamento de custeio das universidades federais.

Quando encontrei Tabata numa das esteiras rolantes da Câmara, ela estava ansiosa com o confronto que teria naquela tarde com o ministro da Educação. Não só ela. Ao longo do dia, foi abordada por políticos – do PT ao PSL – que vinham lhe falar das expectativas por seu discurso. Tabata me disse que não é exatamente contra os cortes, mas, sim, contra “cortes sem nenhum critério, por razões ideológicas”.

A deputada andava rápido pelos corredores da Câmara (quase correndo), enquanto cumprimentava outros parlamentares, assessores ou visitantes. Vestia camisa social branca, saia xadrez até o joelho e uma bolsa preta com papéis que saltavam para fora do zíper aberto. Ao chegar em seu gabinete, tirou o sapato e prendeu o cabelo num coque para almoçar: um pote de plástico com salada, macarrão e frango, tudo misturado.

“A gente vai reformar esse espaço, vamos abrir as paredes, vai ficar bem [com cara de] startup”, ela falou, se referindo ao gabinete parlamentar. Ela divide espaço e recursos, numa espécie de coworking, com o deputado Felipe Rigoni, do PSB do Espírito Santo, e o senador Alessandro Vieira, da Rede de Sergipe. Apesar de terem perfis políticos distintos, os três integram o RenovaBR, um grupo apoiado por empresários – o principal garoto-propaganda é o apresentador global Luciano Huck – que forma novas lideranças e que elegeu 16 de 120 candidatos para o Congresso e assembleias estaduais.

A novata no Legislativo é fruto de dois programas suprapartidários que lhe concederam bolsa financeira e treinamentos de liderança em 2018: o RenovaBR e o Programa de Lideranças Públicas Lemann/RAPS. Este último é bancado pela fundação do segundo homem mais rico do Brasil, Jorge Paulo Lemann. Ela também faz parte do Movimento Acredito, que ajudou a fundar. Os três grupos pregam a renovação política e se dizem apartidários. Os integrantes são de variados espectros políticos, mas têm como compromisso cumprir princípios como transparência e redução de gastos do mandato.

Em comum, os discípulos de Lemann costumam levantar bandeiras ligadas à educação. O ensino público brasileiro é um dos assuntos de interesse prioritário de Lemann, controlador das gigantes Ambev, Kraft Heinz e Burger King –, apesar de ele morar há anos na Suíça.

Os projetos educacionais do bilionário costumam ser geridos como suas empresas: com metas, gerenciamento de resultados e uma equipe escolhida criteriosamente.

Fundada há 15 anos, a Fundação Lemann é uma das entidades que apoiou ativamente a aprovação da Base Nacional Comum Curricular, a BNCC – o empresário, inclusive, foi um dos bilionários convidados a opinar sobre a reforma do ensino público brasileiro. A BNCC é criticada por especialistas por priorizar a preparação dos alunos para o mercado de trabalho, deixando em segundo plano questões teóricas ligadas às “humanas”, como discussões sobre gênero e inclusão, e tornando obrigatórias no ensino médio apenas as disciplinas de português e matemática.

O mesmo discurso é aplicado nos empreendimentos educacionais de Lemann no ensino privado. Seu projeto mais ambicioso em solo brasileiro é o colégio Eleva, que abriu as portas em 2017 no Rio de Janeiro para famílias dispostas a desembolsar R$ 3,9 mil por aluno ao mês e passar por um processo seletivo rigoroso para fazer parte de uma “nova geração de líderes”. Lemann também é acionista do Gera, grupo de investimentos em negócios educacionais, e da rede de ensino Eleva, que tem dez grandes redes de escolas particulares credenciadas pelo país, material didático próprio e mais de 70 mil alunos.

Os projetos educacionais do bilionário costumam ser geridos como suas empresas: com metas, gerenciamento de resultados e uma equipe escolhida criteriosamente. Por causa disso, eles dividem opiniões. Alguns pesquisadores dizem que as grandes corporações, como a de Lemann, se dedicam a formar líderes com objetivo de favorecer o livre mercado. É a opinião de de Eduardo Bonzatto, professor de História com ênfase em Educação na Universidade Federal do Sul da Bahia, que está escrevendo um livro sobre o tema.

“Eles escolhem líderes que tenham alto desempenho e tanto faz se for de direita, esquerda, homem, mulher, rico ou pobre. Na verdade, quanto mais diverso, melhor. Mas, em cargos de liderança, esses representantes são uma garantia de que eles poderão continuar a gerir o sistema com estabilidade”, ele me disse. Essa seria, para Bonzatto, a função de Tabata Amaral. Ele diz que não há doutrinação nos programas, mas, sim, uma preparação de lideranças para atuar em locais estratégicos, como o Congresso Nacional.

Pesquisadores também criticam o interesse de conectar a escola à lógica empresarial. Em um artigo sobre a interferência da Fundação Lemann no ensino público, o professor Jorge Luiz D’Ávila, da área de Políticas Educacionais da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, afirma que as escolas vêm servindo apenas para fornecer “mão de obra” que atenda às necessidades da economia. “Para esse fim, as empresas passam a intervir diretamente nas questões pedagógicas, na elaboração dos conteúdos e na formação docente incorporando nas instituições escolares a lógica do mercado”, escreveu. Outro artigo, da professora Maria Raquel Caetano, do Instituto Federal Sul-rio-grandense, diz que a atuação de grupos privados no ensino público faz parte de uma “crescente incorporação da educação pública a uma lógica empresarial contemporânea”.

‘Eu admiro o Jorge Paulo Lemann. Sabe, a gente tem uma das maiores empresas do mundo que tem brasileiros no poder. Eu acho que aí que a esquerda erra. Qual é o problema disso?’

Quando a questionei a respeito, a deputada disse que ter o apoio de megaempresários com interesses políticos não tolhe a sua independência parlamentar. “Eu vejo essas pessoas com frequência, tenho carinho por elas, mas não me encontro com elas fora de contextos sociais. Não tem ninguém me mandando mensagem, ligando, me enchendo o saco”, me disse. “Eu admiro o Jorge Paulo Lemann. Sabe, a gente tem uma das maiores empresas do mundo que tem brasileiros no poder. Eu acho que aí que a esquerda erra. Qual é o problema disso?”, perguntou.

“Eles têm uma pauta? Têm. Mas todo mundo tem pauta. E eu acho que me resguardo porque recebi doações de 429 pessoas diferentes e nenhuma delas foi de mais de 9% do total [gasto na campanha]. Recebi dinheiro de gente da esquerda e da direita, com agendas e pontos de vistas conflitantes”, continua.

Três dos maiores doadores de Amaral são sócios da rede de ensino particular Ânima, uma das principais do país – que abriga em seus negócios a HSM, empresa que fez Paulo Guedes ser investigado por suspeita de negociações fraudulentas em investimentos na educação. Ela recebeu, ao todo, R$ 150 mil de três membros da diretoria do grupo.

Perguntei se o apoio de um grupo de ensino privado poderia interferir de alguma maneira em seus posicionamentos políticos. “Eu gastei um terço da minha campanha pedindo dinheiro. Foi um esforço muito grande, eu não tinha um doador que pagou tudo, não tinha um partido que pagou tudo. Tive que me encaixar em mais de 50 jantares. Consegui levantar mais de R$ 1 milhão de forma honesta, diversificada e sem amarras”, respondeu. A deputada diz ainda que é contra a privatização do ensino público – o uso de vouchers para famílias pobres estudarem em particulares, é uma ideia defendida pelo seu colega de RenovaBR Vinícius Poit, do Partido Novo.

Os outros maiores doadores de Tabata foram o PDT (R$ 100 mil); o empresário Patrice Etlin, da consultoria de investimentos Advent (R$ 90 mil), que, junto com o irmão, doou para mais de 20 candidatos; e o publicitário Nizan Guanaes (R$ 79,5 mil), que fez as campanhas dos tucanos Fernando Henrique Cardoso (1994 e 1998) e José Serra (2002). Por financiamento coletivo, ela conseguiu R$ 58,1 mil.

‘Acordei cedo e senti uma eletricidade no ar’

Enquanto almoçava, Amaral pegou uma folha de sulfite, dobrou-a ao meio e começou a escrever à mão o discurso que faria mais tarde na sabatina do ministro, consultando dados no celular. Ao fundo, ouvíamos os discursos do ato de estudantes e professores que acontecia em frente ao Congresso naquela manhã.

Amaral teria três minutos para discursar, sem prorrogação. Treinou o discurso, cronometrando-o, por quatro vezes. Na primeira, estourou em 38 segundos. Cortou trechos. Na segunda, bombou por três segundos. Limou mais umas frases. Na terceira, teve sucesso. Mas quis tentar mais uma vez só para garantir. Convencida de que estava segura, começou a passar o texto a limpo – também à mão. “Acho que hoje vai ser um dia histórico. Eu acordei cedo e senti uma eletricidade no ar, algo diferente”, sorriu a deputada.

Antes da audiência começar, Amaral buscou assinaturas para 11 emendas que quer apresentar a projetos do Fundeb e da Reforma da Previdência (uma delas, que define regras especiais para professores, reduzindo o tempo de contribuição, foi aprovada na sexta).

A deputada se define como de centro-esquerda, embora seja alvo de críticas tanto da direita como da esquerda. Ela enumera alguns nomes pelos quais já foi chamada: “poodle de tosa e banho tomado”, “comunista”, “socialista”, “débil mental”, “pior do que fascista porque engana a esquerda”.

Ela contou que passou a ser atacada com a pecha de ‘esquerdista’ pelo MBL há três anos, quando começou a militar com o Movimento Acredito, e depois com a outra iniciativa que fundou, o Mapa Educação. “Tenho divergências com o que propõe essa mocinha e seu pretenso movimento, mas é da democracia, não vejo problema. No entanto, é curioso notar que, vereador mais jovem da história de São Paulo, negro, gay e da periferia, nunca fui chamado para programa da TV Globo. Será que é por que eu não sou de esquerda? Pois é”, disse, na época, o vereador paulistano Fernando Holiday. Em janeiro, o MBL a chamou de “deputada-patricinha”.

Desde que tomou posse, porém, Amaral disse que começou a apanhar mais pesado da esquerda. No episódio do confronto com Vélez Rodríguez, seu desempenho chegou a ser elogiado pelo MBL, mas foi atacado pela esquerda, que “descobriu” que ela supostamente é de direita.

Para ela, isso se deve mais à esquerda não querer dividir espaço no campo ideológico do que uma oposição às bandeiras que defende. “Quando eles têm que usar de todos os subterfúgios para dizer que eu não sou de esquerda, eu penso: ‘igualzinho o MBL, os bolsominions'”, disse. “Acho que tem mais a ver com o incômodo que gero, de ter mais alguém ocupando esse espaço, do que com as minhas ideias”.

‘Quando eles têm que usar de todos os subterfúgios para dizer que eu não sou de esquerda, eu penso: ‘ igualzinho aos bolsominions.”

Em declarações à imprensa, ela explora a posição em que fica mais confortável: o centro-esquerda. À Veja, ela falou que “essa coisa de esquerda e direita ameaça a democracia”. O Estadão a apresentou como “nem esquerda, nem direita”. Amaral acredita que a exacerbação da polarização política no país nos últimos anos teria empurrado o PT mais para a esquerda e o PSDB mais para a direita, abrindo um “vazio” no centro, o qual o PDT – e ela – agora querem ocupar.

“Nem PT e nem PSDB formaram lideranças. Os dois extremos, esquerda e direita, foram tomados porque não tinha ninguém. Eu acho que o PDT tem um espaço na centro-esquerda, já que [após o processo de impeachment] o PT foi mais para a esquerda e o PSDB foi mais para a direita do que haviam sido no passado. Espero que no futuro a gente tenha uma liderança na centro-direita também. Vai ser muito bom para o país”, disse.

Embora alguns celebrem a evidência e o surgimento de uma figura carismática – comparando-a à democrata Alexandria Ocasio-Cortez, fenômeno de esquerda nos EUA –, parte da esquerda rechaça a tentativa de elevar a deputada ao posto de nova liderança entre os progressistas. A socióloga Sabrina Fernandes foi uma das que mostrou preocupação publicamente com a ascensão da pedetista. “A Tabata Amaral é representante da pós-política, um dos fenômenos que eu mais abomino”, ela tuitou, dividindo opiniões à esquerda. Perguntei a ela o que isso significa.

Para Fernandes, o discurso do “nem direita, nem esquerda” tem tido cada vez mais apelo na sociedade porque canaliza a frustração das pessoas com a política tradicional. “Geralmente é empregado por figuras que se lançaram recentemente na política institucional, ou que partem de um rompimento com partidos e instâncias”, me disse.

“Esse discurso contribui para uma ilusão acerca da possibilidade de simplesmente dialogar e negociar com os dois lados. É uma ilusão porque os lados não são construções artificiais, mas fazem parte de visões opostas de como lidar com a divisão de classes, com a distribuição de recursos, com direitos e com a origem do poder”, afirmou.

“Por exemplo, o Brasil todo parece concordar com a importância da educação, mas há um oceano de diferença entre um projeto que fortalece a educação pública através da autogestão de estudantes, professores e pesquisadores, e um projeto que dá o projeto público único como falido para favorecer a opinião e entrada do setor privado. É por isso que não é uma questão de simplesmente se encontrar no meio do caminho”, continuou Fernandes.

Entre bolsas e medalhas

Amaral teve uma trajetória meteórica. De família de classe baixa, da Vila Missionária, bairro originado de um loteamento iniciado por uma instituição missionária católica, Tabata disse que trabalhou desde criança para ajudar na renda de casa, mas conseguiu se formar em Harvard, a melhor universidade norte-americana.

Aos sete anos, ela fazia bordado e pintava quadros que vendia na feira hippie da praça da República, no centro paulistano. “Achava que eu ia acabar trabalhando com artesanato, como minha mãe. Sabe que eu acho até que tinha um pouco de talento?”, ela disse, me mostrando, no celular, fotos de quadros que pintou.

Quadros pintados por Tabata Amaral. Foto: Acervo Pessoal/Tabata Amaral

“Todo dia, da 1ª a 4ª série, eu chegava em casa e levava umas boas horas para limpar a casa, fazer o almoço, bordar. Eu não gostava de bordar, não gostava de limpar a casa. Não gosto de cozinhar até hoje, porque por muitos anos cozinhei por obrigação. Eu só queria que aquilo acabasse logo para poder sentar, ler e fazer tarefa”, lembrou.

Ao demonstrar habilidade com ciência e matemática, ela ganhou bolsa em uma escola particular de classe média, a Etapa. Logo, os professores perceberam que a situação financeira dela era diferente dos demais alunos e começaram a pagar suas refeições (antes, seu almoço se restringia a um iogurte) e um hotel perto do colégio (ela demorava todo dia mais de quatro horas indo e voltando de ônibus).

Em dado momento da nossa conversa no gabinete, Tabata tirou um dos sapatos, cinza e com salto baixo, e me mostrou por cima da mesa. “Foi a esposa de um professor que comprou, para eu ir na minha primeira premiação. Eu não tinha nada. Eu guardo bem minhas coisas”, riu.

Envergonhada, a deputada disse que seu comportamento, elogiado na escola, não era motivo de orgulho, mas, sim, uma forma de lidar com os problemas que via dentro de casa. “Estudar era a forma que eu tinha de fugir de tudo.”

“Eu era super aberta, adorava falar. Mas chegou um momento em que fui entendendo o que estava acontecendo”, contou.

Além de problemas financeiros – seus pais intercalavam subempregos com longos períodos sem ocupação –, Amaral também convivia com o vício do pai em álcool. Com o tempo, ele se envolveu com outras drogas e, no fim da vida, estava consumindo crack, segundo ela.

“E aí eu parei de falar com as pessoas. Minha mãe foi chamada à escola porque tinham medo de eu nunca conseguir falar em público. Deixei de ter amigos. Acho que um psicólogo saberia dizer o que aconteceu. O que sei é que me tornei extremamente tímida e só gostava de ler. Aquele era o meu refúgio”, me contou.

‘Eu te asseguro: o diálogo da periferia com Harvard é mais tenso que o da esquerda contra a direita.’

Tabata conseguiu sua primeira medalha – de prata – em uma olimpíada estudantil aos 12 anos. No ano seguinte, em 2007, foi a campeã na Olimpíada de Matemática, o que lhe rendeu um destaque no Jornal Nacional. No total, ela acumulou mais de 30 medalhas em olimpíadas estudantis – as conquistas lhe renderam o apelido de “supercampeã olímpica” em uma reportagem do G1 de 2011. Naquele ano, aos 17, ela já tinha ideia do que queria fazer – estudar em Harvard – e, para isso, tentava bolsas de estudo em oito processos seletivos diferentes.

Seus olhos se encheram de lágrimas ao contar que o pai morreu quatro dias após ela ser aprovada em Harvard, com bolsa de estudos integral da própria universidade – ela também foi aceita em outras cinco universidades americanas com bolsas de 100%.

“Eu odiei o primeiro ano em Harvard. Mas trabalhei como babá e recepcionista e mandei dinheiro para casa. Na época, minha mãe estava desempregada. Eu não falava nada de inglês, tive que aprender”, prosseguiu, antes de assoar o nariz algumas vezes até se recompor.

Tabata estava cursando astrofísica, mas decidiu mudar a graduação principal para ciência política no segundo ano da faculdade, após ter aula com Steven Levistky, autor do livro “Como as democracias morrem”. “Ele me falou: ‘você foi a melhor aluna, tem que considerar [mudar o foco de estudos], você tem talento’. Eu era louca pela aula, porque falava de desigualdades, de tudo que eu tinha vivido no Brasil”, afirma. “E eu te asseguro: o diálogo da periferia com Harvard é mais tenso que o da esquerda contra a direita.”

Com dificuldade para conciliar a faculdade com os empregos, ela se inscreveu para receber uma ajuda financeira da Fundação Estudar, também de Jorge Paulo Lemann. A bolsa, segundo ela, era de apenas US$ 500 por ano – dinheiro que diz ter devolvido este ano com o primeiro salário de deputada. Foi o primeiro contato de Tabata com o empresário, que depois a convidou para integrar a Lemann Fellow, uma “rede de talentos” comprometidos a levar “impacto social” ao Brasil. A rede é alvo das mesmas desconfianças direcionadas aos projetos do empresário na educação pública, pois seleciona lideranças de interesse e as mantêm em contato com a agenda da Fundação Lemann.

A aproximação trabalhista

Em 2014, Tabata Amaral trabalhou em um “summer project” na secretaria de educação de Sobral, no Ceará, berço do clã Gomes, liderado pelo candidato do PDT à Presidência em 2018, Ciro.

Mas o primeiro contato de Tabata Amaral com o líder trabalhista foi durante uma palestra do político em um evento em Harvard, em 2016. O vídeo da pergunta feita por ela viralizou, à época, porque o presidenciável disse que “andava estudando astrofísica” e replicou, perguntando à jovem se ela “compreendia que o multiverso é uma possibilidade”.

No Brasil, já militando em movimentos ligados à educação, ela decidiu usar essa bandeira para concorrer às eleições. Ao procurar um partido para concorrer nas eleições de 2018, Amaral acabou escolhendo o PDT pelo “seu histórico na área da educação, principalmente o legado de Darcy Ribeiro”. Segundo ela, era o partido a que tinha “menos críticas”.

Mas isso não quer dizer que não tem críticas. Para ela, a legenda deveria valorizar as prévias para escolher os nomes que disputarão cargos eletivos e garantir a participação de pelo menos 50% de mulheres nas disputas. As ideias enfrentam resistência, segundo ela, de caciques regionais. “Quem banca minhas brigas e entende que precisamos renovar é o [presidente] Carlos Lupi e o Ciro. Minhas maiores dificuldades são locais. Municipal e estadual. Aí sim tem gente há muitos anos, achando que as minhas ideias são de alguém jovem que só quer causar”, relata.

Católica fervorosa – vai à missa todo domingo, foi coroinha e cantou no coral da igreja –, Tabata diz que sua fé não interfere em posicionamentos políticos. Ainda assim, são os debates morais que podem lhe render novos confrontos com a esquerda. Ela é a favor do aborto nos casos já previstos em lei, mas contra a descriminalização geral. Também é a favor da legalização da maconha, mas não de outras drogas, por considerar que faltam estudos sobre uma liberação abrangente

DURANTE QUASE TODA a longa sabatina com Weintraub, em maio, Tabata Amaral se manteve sentada em sua cadeira no plenário e ouviu atentamente aos discursos. Sua fala na tribuna, aquela que viralizou, foi no início da noite. Pouco antes do fim da sabatina, às 21h, ela deixou o plenário para jantar na sala da liderança do PDT. Era o tempo de que precisava antes de mais uma maratona de entrevistas sobre as manifestações de rua e o desempenho do ministro. “A vitória se deu mais nas ruas do que no Congresso”, disse a todos os jornalistas que lhe telefonaram.

Foi para casa perto das 23h. No dia seguinte, chegou ao gabinete às 8h45, se desculpando pelo atraso e dizendo que teve de dobrar roupas que estavam no varal.

Há até pouco tempo, Tabata costumava chegar de ônibus na Vila Missionária, onde vive a mãe. Foi proibida por motivos de segurança. Ela diz que passou a receber ameaças este ano, principalmente pelas redes sociais. Em um dos casos a pessoa foi identificada. Era um jornalista e escritor ligado ao PT que escreveu no Facebook, no final de março, que ela merecia “ser fuzilada e depois virar nome de escola”. Ela não quis revelar o nome por motivos legais, pois o caso foi para a Justiça.

Em Brasília, a deputada vive em um apartamento funcional. Quando tomou posse, ela se envolveu em sua primeira polêmica ao denunciar que o imóvel destinado a ela por sorteio estava ocupado pelo filho do deputado Hildo Rocha, do MDB do Maranhão. Com a confusão, acabou recebendo um outro apartamento, que seria “velho e mofado”. “Tive princípio de bronquite. Tive que ir na secretaria e mostrar os remédios que estava tomando para eles me passaram outro. Ele também é velho, mas pelo menos não tem colchão e cortina mofado”, disse.

A deputada garante que precisa do apartamento por razões financeiras: sua conta corrente vive “zerada”, ela alega. “Eu nunca mais falei sobre isso, porque tem coisas que as pessoas vão achar que eu estou inventando. Elas iam pensar ‘como pode uma deputada não ter onde ficar em Brasília e ainda ter a conta zerada’? Então eu prefiro não falar. Eu não tenho capital guardado, como é comum aqui. Fiz um monte de dívida na campanha, minha tia teve um problema de saúde, e eu emprestei dinheiro. Minha conta hoje tem R$ 200.”

‘É difícil saber para onde quero ir, se quero ser prefeita, secretária, ministra da educação. Acho que quero continuar na política porque aqui está o problema e a solução.’

Tabata reclama também de atos machistas e desrespeitosos na Câmara, como ser interrompida no meio de uma votação para ser perguntada se é casada. “Uma vez um deputado do PSL veio falar comigo, perguntou se eu era deputada, me deu um abraço bem forte e ficou me segurando. Eu me desvencilhei e ele me olhou com cara de idiota, se sentindo um galã”, me contou, franzindo o rosto. A deputada não quis revelar o nome do parlamentar porque diz que poderia sofrer um processo interno por ele.

Em situações assim, ela diz que costuma pensar em sacadas para “responder causando”, no que chama de sua versão “Tabata Zoeira”. Mas só expressa a pessoas mais próximas. Acabou se especializando em ser exageradamente calma e se fazer de boba. “Tem uma piada de que eu bato fofo. A pessoa vem com sangue nos olhos e eu respondo tranquilamente. Quando me perguntaram se eu era casada, perguntei ‘qual é a relevância para a minha atuação parlamentar, o senhor me explica?’. Assim, calminho. Aí a pessoa fica constrangida. Me perguntaram onde eu achei meu pin [broche de deputada] e eu disse que achei no chão. A pessoa ri”, conta.

Com a agenda lotada, Tabata reserva um fim de semana por mês para visitar o namorado, um ex-colega de faculdade que vive no Amazonas e é colombiano. Ele recebe uma bolsa para projetos de saúde e educação em pequenas comunidades. Recentemente, ela está fugindo de spoilers do final de “Game of Thrones”, série que os dois combinaram de só ver juntos.

Apesar da trajetória, a deputada admite que abriria mão de tudo isso caso pudesse voltar no tempo. Ela diz que, se pudesse escolher, não teria aceitado a oferta dos professores do colegial que lhe pagaram um quarto de hotel para ficar mais perto da escola. Afinal, ela estava no hotel nos dois últimos anos da vida do pai, vendo-o apenas aos finais de semana.

“Eu sei que não estaria aqui, não teria ido para Harvard, para nenhuma competição, se eu tivesse continuado pegando quatro horas de ônibus todos os dias. Mas eu queria ter estado com o meu pai”, afirmou. Para ela, esse foi o seu único erro.

Tabata disse se ver completando um segundo mandato de deputada federal, mas é evasiva ao falar dos planos de subir os degraus de uma carreira política. “É difícil saber para onde quero ir, se quero ser prefeita, secretária, ministra da educação. Acho que quero continuar na política porque aqui está o problema e a solução. Mas eu cresci querendo ser cientista. Antes queria ser artista plástica. Eu nem sabia que eu poderia ser presidente da República”, diz. “Sonho ser lembrada como alguém do calibre de Darcy Ribeiro e Anísio Teixeira.”

Mas talvez tenha que encontrar outro partido para seguir na política. Na quinta-feira, Carlos Lupi confirmou que o PDT abriu um processo disciplinar para discutir qual será a consequência da votação a favor da reforma da Previdência. Para Ciro Gomes, Tabata cometeu um “erro indesculpável” que “não pode passar impune”. A punição, a ser definida em até 60 dias, pode chegar à expulsão do partido.

10comentários
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Brasília - DF
Atualizado às 16h25
24°
Nuvens esparsas Máxima: 24° - Mínima: 13°
24°

Sensação

15 km/h

Vento

44%

Umidade

Fonte: Climatempo
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias