Alemanhã

Alemanha cria fundo para proteger empresas de aquisições estrangeiras

A estratégia define que o Estado, “por um período limitado de tempo”, pode adquirir parte de empresas consideradas fulcrais a nível tecnológico e de inovação, se tal for necessário para impedir que estas passem a ser controladas por accionistas estrangeiros.

08/02/2019 13h40Atualizado há 10 meses
Por: Folha
Fonte: DCM
Foto Reprodução
Foto Reprodução

Numa tentativa de garantir que o país está entre os líderes tecnológicos mundiais e as suas principais empresas não caem em mãos estrangeiras, o governo alemão pretende criar um fundo destinado a assumir, em “circunstâncias excepcionais”, o controlo das empresas.

A medida, que já vinha sendo noticiada há alguns meses faz parte da Estratégia Nacional para a Indústria 2030 proposta oficialmente pelo executivo alemão esta terça-feira e que inclui a adopção de diversas acções por parte do Estado com o objectivo de desenvolver o sector industrial da maior economia europeia, assegurando a sua competitividade tecnológica a nível internacional.

A estratégia define que o Estado, “por um período limitado de tempo”, pode adquirir parte de empresas consideradas fulcrais a nível tecnológico e de inovação, se tal for necessário para impedir que estas passem a ser controladas por accionistas estrangeiros. Para defender a existência destes “campeões nacionais”, o Governo liderado por Angela Merkel prevê a criação de um fundo financeiro que estará disponível para ser usado em “casos muito importantes” nestas nacionalizações parciais e temporárias.

Na apresentação do plano, o ministro da Economia alemão assumiu que a aquisição por parte de uma empresa chinesa da empresa de robótica alemã Kuka em 2016 foi uma das razões por trás do plano agora delineado por Berlim. Peter Altmeier defendeu que é necessário que surjam novos “campeões nacionais e europeus” para que seja possível competir a nível tecnológico com a China e com os EUA.

O caso mais imediato em que este novo fundo, se vier a ser criado, pode ser utilizado é o da Siemens, que planeava juntar-se à francesa Alstom para conseguir fazer face à forte concorrência chinesa, mas que deverá ver essa intenção recusada pela Comissão Europeia.

A estratégia agora proposta pelo governo alemão inclui outras medidas, como a alteração das regras da concorrência para facilitar fusões que aumentem a competitividade internacional da empresas ou o aumento dos apoios públicos à inovação. (…)

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias