Fake News

CPMI das Fake News ignora obstrução do PSL e convoca WhatsApp e Telegram

A sigla tentou adiar a análise das convocações com uma série de pedidos à presidência da comissão. A tática, no entanto, não deu resultado.

10/09/2019 19h43
Por: Folha
Foto Reprodução
Foto Reprodução

O Congresso aprovou hoje a convocação dos aplicativos de mensagem instantânea WhatsApp e Telegram para que prestem esclarecimentos sobre a produção e disseminação de notícias falsas.

Os requerimentos foram colocados em votação na CPMI das Fake News à revelia da tentativa de obstrução do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro. A sigla tentou adiar a análise das convocações com uma série de pedidos à presidência da comissão. A tática, no entanto, não deu resultado.

O PSL se opõe à finalidade da comissão mista: investigar a produção e disseminação de notícias falsas e a prática de cyberbulling contra autoridades e cidadãos. Isso porque a CPMI também vai apurar o compartilhamento de fake news durante a eleição presidencial do ano passado, o que incomoda os correligionários de Bolsonaro.

Os pesselistas argumentam que não há "fato determinado" para a investigação e alegam que a comissão tem caráter político. "Estão querendo fazer um tribunal de exceção para julgar o presidente e julgar a sua campanha", afirmou a deputada Caroline de Toni (PSL-SC).

Caroline e outros parlamentares como o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o deputado Filipe Barros (PSL-PR) e a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) formaram uma espécie de tropa de choque do partido na tentativa de obstruir a reunião.

Um longo debate, com direito a troca de farpas e acusações mútuas, antecedeu a leitura do plano de trabalho da relatora, Lídice da Mata (PSB-BA).

Em um dos duelos verbais, Flávio Bolsonaro mencionou uma entrevista do presidente da CPMI, Angelo Coronel (PSD-BA), em que ele afirmou à "TV Câmara" de Salvador que pretendia perguntar a Carlos Bolsonaro, irmão de Flávio, se ele "usou fake news para depreciar adversários". Disse ainda que, em caso de mentira, poderia dar voz de prisão ao depoente.

Flávio questionou Coronel se as declarações dele não poderiam ser entendidas como uma "ameaça" ao irmão, que é vereador no Rio de Janeiro pelo PSC mas tem sido uma figura atuante no governo do pai, sobretudo devido ao impacto de suas postagens nas redes sociais.

Ontem (9), por exemplo, Carlos escreveu no Twitter que, por "vias democráticas", "não haverá as mudanças rápidas desejadas no país". A mensagem foi foi alvo de críticas de políticos e da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que viram nela uma ofensa ao sistema democrático brasileiro.

Coronel respondeu que não ameaçou o filho de Bolsonaro e que parte de sua entrevista foi retirada de contexto.

Além de requerimentos para ouvir representantes do WhatsApp e do Telegram, a CPMI também aprovou a convocação do Google, Instagram, Youtube e do Twitter — empresas responsáveis por redes sociais, meios de distribuição de notícias entre a população—, além dos responsáveis pelo site The Intercept Brasil.

Também foi deferido requerimento para que seja ouvida a professora universitária e blogueira feminista Lola Aronovich, alvo de uma campanha cibernética difamatória e perseguição física no Ceará.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias