STF

Vídeo - Em uma clara indireta a Bolsonaro, ministro do STF diz: ‘MP não serve a governos’

Assista ao vídeo depois da matéria

Barbudinho

BarbudinhoLuiz Henrique Barbudinho, é ativista digital e político, especialista em marketing e redes sociais, é um dos administradores de uma das maiores redes progressistas do Brasil, com alcance superior a 60 milhões de usuários ao mês. Ficou conhecido nacionalmente e internacionalmente depois de ter invadido uma transmissão ao vivo da Rede Globo com uma placa chamando a emissora de "golpista".

12/09/2019 20h27
Por: Redação
Fonte: Com informações do G1

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Melo se pronunciou na sessão de despedida da Raquel Dodge nesta quinta-feira (12), que será substituída por Augusto Aras, indicado por Jair Bolsonaro para assumir a PGR.

Procuradores e servidores do Ministério Público Federal (MPF) em Minas Gerais fizeram um ato nesta segunda-feira (9) em Belo Horizonte contra a atitude tomada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) de indicar Augusto Aras, para procurador geral da República. Ele está fora da lista tríplice de nomes sugeridos pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR).

Bolsonaro não é obrigado a escolher alguém da lista, mas a eleição da ANPR era respeitada desde 2003. Após o anúncio da indicação, a associação divulgou nota na qual classifica a escolha como "retrocesso democrático e institucional". "O indicado não foi submetido a debates públicos, não apresentou propostas à vista da sociedade e da própria carreira", diz trecho da nota.

Em carta lida durante o ato em Belo Horizonte, os membros do MPF questionaram a indicação do presidente fora da lista tríplice. “O que pensa, quais são seus projetos, como pretende atuar, de que maneira agirá para cumprir as missões fundamentais estabelecidas na Constituição Federal, defender as nossas bandeiras institucionais, da autonomia, da independência funcional e da garantia de escolha das funções mais relevantes através do modelo participativo e democrático da eleição”.

O MPF em Minas também questionou o tratamento dado por Bolsonaro ao órgão e a forma como ele definiu escolha. “Isso se reforça no momento em que o presidente da República, parecendo não compreender bem como devem funcionar as instituições no estado democrático de direito, apresenta termos como ‘afinidade de pensamento’, ‘alinhamento’, ‘dama em tabuleiro de xadrez em que o presidente seria o rei’ para se referir a característica almejada para a chefia do Ministério Público Federal”, diz a carta.

Para Ministério Público, a indicação de Augusto Aras, sem ter sido eleito pela lista tríplice, é o maior retrocesso do órgão nos últimos 20 anos. “Hoje a carreira se mobiliza para defender publicamente, as bandeiras de autonomia do Ministério Público, da independência de seus membros e da manutenção do mecanismo democrático de escolha de suas funções mais relevantes”.

Talvez, Celso de Melo tenha a mesma preocupação da ANPR e se preocupa com o aparelhamento da PGR.

Assista seu pronunciamento:

1comentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias