Sábado, 29 de Janeiro de 2022
51993949307
Entretenimento Absurdo

Pela audiência, Globo estimula racismo e intolerância religiosa

Se um programa televisivo como o BBB é algo desprezível, ele serve ao menos para enxergarmos que fora da nossa bolha ainda há pessoas estacionadas no século passado, e que essas pessoas não são loucas e não são aberrações

12/02/2019 09h01 Atualizada há 3 anos
Por: Redação Fonte: DCM
Paula e Rodrigo, participantes do BBB 19 (Imagem: Reprodução | GloboPlay)
Paula e Rodrigo, participantes do BBB 19 (Imagem: Reprodução | GloboPlay)

Parece que o brasileiro progressista precisa de um reality show pra enxergar o óbvio: nossa cultura é escravocrata, nosso ranço colonial jamais foi vencido e, fora do nosso círculo, o racismo é muito mais escancarado do que conseguimos lidar.

O BBB acertou em cheio: tensionar questões de raça parece ser o foco dessa edição, porque a casa está propositalmente dividida entre pessoas negras e pessoas absurdamente racistas.

Continua depois da publicidade

As pérolas vão de “cabelo ruim” a “tenho medo dele porque ele acredita nessas coisas de oxum” (?)

Além do racismo, vem também de bônus a intolerância religiosa, o que quase chega a ser uma redundância, porque uma coisa está contida na outra.

Continua depois da publicidade
 

Nessa semana, a indignação na internet foi mais uma vez geral por conta de mais um episódio de racismo no reality: enquanto os dois únicos participantes negros da edição, Gabi e Rodrigo, cantavam juntos um samba de Jorge Aragão, outro participante, Maycon – ao que parece, um espécime comum de católico não-praticante – disse ter sentido um arrepio com aquelas “músicas esquisitas”, e que chegou a ouvir a voz de Jesus dizendo “Não faça igual a eles.”

(Há muitas pessoas ouvindo a voz de Jesus ultimamente, Damares que o diga. Talvez seja na verdade a voz de seus demônios interiores, uma espécie de alter ego preconceituoso e letal)

Ele contou a história em tom profético a outro participante, não por acaso um branco que também pega o bonde dos racistas.

Continua depois da publicidade

“Cumprimentei (Gabi e Rodrigo), conversei, de repente eu senti um arrepio. Começou a tocar umas músicas esquisitas. Olhei para os dois, num sincronismo legal. Achei legal, juro por Deus. De repente, comecei a olhar e escutar uns negócios. ‘Não faça igual a eles’. Aí veio Jesus Cristo em minha mente. ‘Não para aqui. Para a vida inteira. Se fizer igual a eles, eles ganharão mais força’. Eu não sou doido”

Verdade, doido ele não é.

É apenas um exemplar típico da classe média cristã, que acredita que Orixás são demônios, que Candomblé consiste em sacrificar animais para fazer mal aos outros (quem faz isso é o capitalismo mesmo), e que qualquer pessoa que se aproxime de religiões de matriz africana – mesmo que minimamente, se expressando através de uma música – deve ser tratada com cautela.

Continua depois da publicidade
 

Na internet, as pessoas surtam a cada episódio de racismo no programa – episódios aliás cada vez mais comuns. É difícil entender por quê estão surpresos com o que sempre foi uma realidade aqui fora: talvez porque, no nosso mitiê progressista, especialmente na internet, o racismo seja muito mais velado.

As pessoas se podam, ponderam, algumas de fato até tentam contribuir com a luta antirracista, e criamos a ilusão de que a luta antirracista é tão universal quanto o próprio racismo, o que é de uma ingenuidade infantil.

Nosso espanto, na verdade, é o espanto de olhar para o mundo real, fora da internet e fora da lacrolândia, e esse é um espanto positivo e necessário nos nossos dias: nossa sociedade é racista, o mitiê progressista é igualmente racista – porque nosso passado colonial é racista e nós ainda não fomos capazes de superá-lo – e nós mesmos somos racistas, embora sejamos racistas dispostos a se descolonizarem (enquanto Maycon, por exemplo, é um racista que ainda não entendeu nada).

Se um reality show como o BBB não servir pra mais nada, ele serve ao menos pra a gente olhar pra fora da nossa bolha e enxergar que ainda há pessoas estacionadas no século passado, e que essas pessoas não são loucas e não são aberrações, são fruto de uma moral e de uma cultura que estão em nós, e que ainda precisaremos combater por muitas décadas, talvez séculos.

Na tela da TV, somos confrontados conosco.

Nathalí Macedo, DCM

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Barbudinho
Sobre Barbudinho
Luiz Henrique Barbudinho, é ativista digital e político, especialista em marketing e redes sociais, é um dos administradores de uma das maiores redes progressistas do Brasil, com alcance superior a 60 milhões de usuários ao mês. Ficou conhecido nacionalmente e internacionalmente depois de ter invadido uma transmissão ao vivo da Rede Globo com uma placa chamando a emissora de "golpista".
Ele1 - Criar site de notícias