Jornal Nacional

JN revela denúncia de corrupção contra o vice-presidente do PSL de SP e ex-assessor de Eduardo Bolsonaro

Assista ao vídeo no final da matéria: Procuradoria-Geral de Justiça vai investigar criminalmente o deputado Gil Diniz, líder do PSL na Alesp, por 'rachadinha'. O parlamentar é ex-assessor de Eduardo Bolsonaro e vice-presidente do PSL paulista.

16/10/2019 20h58
Por: Redação

Um ex-assessor parlamentar denunciou à Procuradoria-Geral de Justiça um suposto esquema de ‘rachadinha’ no gabinete do deputado estadual Gil Diniz, líder do PSL na Assembleia Legislativa de São Paulo. Segundo ele, a prática era ‘comum’, e haveria também uma ‘funcionária fantasma’, amiga de longa data do parlamentar.

Diniz foi assessor de Eduardo Bolsonaro (PSL) entre 2016 e 2018, quando se elegeu deputado e é conhecido como ‘Carteiro Reaça’. Atualmente, é vice do diretório do partido em São Paulo, presidido por Eduardo. O partido avalia lançar seu nome para a Prefeitura de São Paulo, nas eleições de 2020.

Alexandre de Andrade Junqueira foi lotado no gabinete entre 20 de março e 31 de julho e ganhava, em média, R$ 15,5 mil. A representação dele foi feita nesta segunda, 14. “Presenciei por várias vezes a circulação de dinheiro em espécie. e o pagamento de diversas contas particulares com esse dinheiro oriundo da ‘rachadinha'”.

Junqueira narra que seu vínculo com o deputado estadual começou durante a campanha. “Quando me juntei a ele para apoiá-lo em virtude de suas ideias”. O ex-assessor especial parlamentar diz que, ‘logo no início’, pediram para que ‘devolvesse parte do salário’ e, ‘principalmente, as GEDS (gratificações), que só foram incorporadas ao meu salário para que eu as devolvesse em dinheiro para o Deputado’.

Não há, no Diário Oficial, registro de atribuição de ‘Gratificação Especial por Desempenho’, bonificação chamada comumente de GED no Legislativo. Ele afirmou ao Estado que a gratificação não chegou a ser concedida porque teria sido ‘afastado do gabinete com 14 dias do mandato’.

O assessor afirma que se recusou a devolver o salário, e, por isso, teria sido proposto a ele um rebaixamento para o cargo de motorista. “E em seguida, permaneci por quatro meses em casa sem prestar quaisquer serviços, a titulo de punição pela ninha recusa, conforme imposto pelo Deputado em questão. Ainda que eu quisesse trabalhar, fui proibido de ir ao gabinete e orientado a ali comparecer apenas uma vez por semana para assinar a folha de ponto”.

“Todos os assessores que recebem o salário no teto fazem rodizio das gratificações, que costumam ser sacadas em dinheiro para pagamento das contas de apoiadores do Deputado Estadual Gil Diniz. Tenho conhecimento que o mesmo procedimento ocorre na Liderança do PSL na Assembleia Legislativa de São Paulo”, conclui o ex-servidor, em representação. Ele ainda diz estar à disposição para mais esclarecimentos.

Assista a reportagem do JN:

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias