Jair Bolsonaro

Bolsonaro e um partido para chamar de seu

’Na Aliança, a margem para dissidências tende a ser mínima. Quem discordar do Planalto se arriscará a ser punido com a geladeira ou a expulsão sumária’, diz o jornalista Bernardo Mello Fraco sobre a Aliança pelo Brasil, partido de extrema-direita, criado por Jair Bolsonaro

13/11/2019 08h45
Por: Redação
Fonte: Brasil 247
(Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)
(Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)

247 - Para o jornalista Bernardo Mello Franco, “é tentador comparar a Aliança pelo Brasil com a finada Aliança Renovadora Nacional. Jair Bolsonaro morre de saudades da ditadura”. “A velha Arena foi fundada em 1966, depois que os militares impuseram o bipartidarismo”, diz. Mello Franco, porém, destaca que a “Aliança nascerá com porte médio, num ambiente marcado pela fragmentação partidária”. 

“Aliados do presidente projetam atrair até 30 deputados para a nova sigla. Se isso se confirmar, ela terá a sétima bancada na Câmara, com menos de 6% das cadeiras. É pouco para um governo que até hoje não conseguiu formar uma base estável”, avalia. 

Em sua análise, Mello Franco observa que como Jair Bolsonaro “não conseguiu tomar o PSL de Luciano Bivar, resolveu fundar outra sigla do zero. Disso deve surgir uma legenda altamente personalista, organizada em torno das vontades do grande líder”. “Na Aliança, a margem para dissidências tende a ser mínima. Quem discordar do Planalto se arriscará a ser punido com a geladeira ou a expulsão sumária”, acrescenta.

1comentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias