Segunda, 01 de Junho de 2020
51993949307
Opinião Artigo

PMDB e sua prostituição política

O partido é como um amante: quem chega ao poder se apaixona, conta os segredos, faz maldade junto e depois não consegue se livrar, por Luiz Henrique Barbudinho.

07/12/2018 13h08 Atualizada há 1 ano
Por: Redação Fonte: Portal Folha Impacto
Evaristo Sá/AFP e Fernando Souza/AFP
Evaristo Sá/AFP e Fernando Souza/AFP

Vou chamar de PMDB, sim. 

Desde a redemocratização, PMDB sempre esteve no poder. A sigla emplacou ministérios em todas as gestões, desde o mandato de José Sarney (1985-1989) ao então presidente ilegítimo Michel Temer (2016-2018) – feito que nenhuma outra sigla conseguiu igualar. Mais do que isso, estará compondo o próximo governo, de Jair Bolsonaro, com ministérios. 

Que mel é esse que o partido tem que ninguém pode ficar longe, ou tê-lo na oposição? 

Nas últimas três décadas, escândalos de corrupção estiveram em todos os governos. Coincidência o PMDB estar ali do ladinho? Eu acho que não.

O PMDB foi o principal algoz de Dilma Rousseff. Eduardo Cunha, Michel Temer, Renan Calheiros, Romero Jucá e Eunício Oliveira estavam mancomunados e articularam, bem como disse Romero Jucá em áudio divulgado com o ex-senador Sérgio Machado, um grande acordo nacional, nas palavras dele: “com supremo, com tudo”. 

Eu desconfio muito que, neste acordo, a eleição de Bolsonaro estava prevista.

Vamos para alguns dos principais fatos:

          •Henrique Meirelles, candidato do PMDB à presidência da república, ou qualquer outro político expressivo do PMDB nunca proferiram ataques a Bolsonaro durante o processo eleitoral. A candidatura de Meirelles pode ter sido apenas um disfarce.

          •Bolsonaro jamais fez alguma menção desmerecendo o governo de Michel Temer e também esteve aliado com candidatos do PMDB aos governos dos Estados, a exemplo do “Sartonaro”, uma mistura dos nomes de José Ivo Sartori, candidato a reeleição ao governo gaúcho pelo PMDB com Bolsonaro.

          •Com provas cabais nas denúncias reveladas pelo Jornal Folha de S. Paulo sobre Caixa 2 na campanha de Bolsonaro e com uma lei clara sobre a anulação  de candidaturas que tenham sido construídas com base em fake news, o Supremo, mesmo com a declaração do ministro Luiz Fux em agosto deste ano “Se houver a comprovação de que uma candidatura se calcou em fake news, essa candidatura pode ser anulada”, ficou mórbido.

          •Temer, que poderá ser embaixador, no intuito de manter seu foro privilegiado, divulgou vídeos atacando o principal adversário do campo político de Bolsonaro, Geraldo Alckmin. Vídeos que foram impactantes, colocando o PSDB, partido de Alckmin, como um dos responsáveis pelo fracasso do governo, prejudicando a candidatura tucana nas eleições.

O PMDB, além de ter uma bancada grande no parlamento e ser o maior partido do país, tem em suas fileiras políticos com influência em diversos setores e instituições responsáveis pelo funcionamento da nação. 

O PT deve lamentar muito suas indicações ao Supremo e outros cargos de instâncias jurídicas, uma vez que foi prejudicado diversas vezes com julgamentos políticos e parciais, justamente por aqueles que a própria sigla deu oportunidade de chegar aos mais importantes cargos da república. Mas é preciso lembrar que o PMDB estava ali do lado, dando sustentação e governabilidade. Vocês têm alguma dúvida que o partido da chama em cima do “M” não influenciou em alguma decisão?

O PMDB estará abastecido de cargos no futuro governo e seus ministérios. Em troca, Bolsonaro vai contar com o apoio do partido na Câmara e no Senado. O Jair precisa de governabilidade e precisa de alianças, mas continuar dando confiança e poder para o partido mais abominável do Brasil é um erro gravíssimo. 

Muitas teoris! É verdade. Mas o que fica evidente é a troca de favores e o jogo político. Dá-me aqui que eu te consigo ali. O PMDB nunca conseguiu construir um nome capaz de vencer uma eleição presidencial, mas sempre consegue destruir a reputação de quem chega lá. Alguns dizem que o partido é um amuleto do azar, eu digo que é proposital. Eles sobrevivem de conspirações, chantagens e mentiras, pra não dizer outras coisas.

Com o PMDB ao lado, Bolsonaro se encaminha para ser o Lula da direita. Refiro-me em relação à popularidade. 

Só teremos um pouco de paz e justiça quando essa organização for enfrentada e dilacerada. Para isso acontecer, precisa existir alguém que não queira dormir na mesma cama que o partido.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias