Dia da mulher

Movimentos de mulheres preparam atos contra Bolsonaro em 8 de março

Dia Internacional da Mulher Protestos em várias cidades CUT criticou o presidente

27/02/2020 20h48
Por: Redação
Fonte: Portal 260

Movimentos de mulheres e centrais sindicais preparam manifestações em diversas cidades do Brasil contra o presidente Jair Bolsonaro e pautas do governo federal –como a reforma da Previdência aprovada no ano passado– para 8 de março, quando é comemorado o Dia Internacional da Mulher.

Em São Paulo, o protesto será na Avenida Paulista, cartão postal da capital do Estado, a partir das 14h. “Por nossas vidas, democracia e direitos”, diz a descrição do evento no Facebook, que contava com 1.494 pessoas confirmadas e 3.432 interessadas no momento de publicação desta reportagem.

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) afirmou em seu site que as manifestações “vão destacar as mulheres negras”, bem como mulheres indígenas, lésbicas, bissexuais e transgênero. Isso porque são essas as que “mais sofrem” ataques trabalhistas.

A entidade também lembrou o insulto de Bolsonaro à jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo, com frase de conotação sexual. O presidente disse em 18 de fevereiro que a repórter “queria dar o furo a qualquer preço” contra ele.

No jargão jornalístico, “dar 1 furo” significa publicar uma informação antes dos concorrentes. Ao usar a expressão, o presidente enfatizou o duplo sentido da palavra quando se referiu à jornalista.

A jornalista foi a autora de reportagens que mostraram o disparo em massa de mensagens pelo WhatsApp durante a campanha eleitoral feito por algumas agências, o que beneficiou alguns candidatos.

Em depoimento à CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito), o funcionário de uma dessas agências, Hans River do Rio Nascimento, afirmou –sem apresentar provas– que a repórter ofereceu sexo em troca de informações.

A própria jornalista revelou áudios e imagens que desmentiram o depoente. Autoridades, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, repudiaram a atitude de Hans River e lembraram que é crime mentir numa CPMI.

Já o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e, posteriormente, o presidente próprio Jair Bolsonaro minimizaram as declarações do funcionário da agência que fez os disparos em massa.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Municípios
Últimas notícias
Mais lidas