Bolsonaro

'Não posso sair gritando que vai morrer todo mundo', diz Bolsonaro

Presidente pode fazer mais 1 teste Medidas de Estados seriam ‘extremas’

20/03/2020 12h17
Por: Folha
Fonte: Poder 360
Arquivo Web
Arquivo Web

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta 6ª feira (20.mar.2020) que a imprensa tem tomado suas declarações a respeito da pandemia da covid-19 como se estivesse “despreocupado”. Ele disse que não se trata disso, mas sim de não levar a crise para o lado do “extremismo”.

“Eu não posso, como chefe de Estado, sair gritando por aí: ‘Vai morrer todo mundo, não tem jeito.’ Não podemos entrar nessa situação do pânico, piora a situação do Brasil. Eu tenho que falar a verdade e transmitir tranquilidade ao povo brasileiro”, afirmou.

Bolsonaro deu a declaração ao sair do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. Em ocasiões anteriores, ele disse que havia uma “histeria” a respeito do avanço da doença e que muito do que falavam seria “fantasia“.

“Precisamos todos nos unir, sem exceção”, disse o presidente. Afirmou estar se sentindo bem, e que, por isso, estava saindo de casa para trabalhar no Palácio do Planalto, sede do Poder Executivo. Acrescentou que pode fazer outro teste para saber se foi infectado pelo vírus. Seria o 3º exame.

Bolsonaro também criticou medidas de alguns governadores, como Wilson Witzel (PSC), do Rio, e João Doria (PSDB), de São Paulo. O 1º decretou o fechamento dos aeroportos na última 5ª feira (19.mar). Já o 2º chegou a determinar o fechamento de shoppings.

“Tem certos governadores que estão tomando medidas extremas; que não compete a ele fechar aeroportos, fechar rodovias. Não compete a eles fechar shopping etc.”, disse.

Bolsonaro afirmou que o fechamento completo dos estabelecimentos prejudica comerciantes e trabalhadores informais, que ficam sem ter de onde tirar sustento. Falou ainda que “o vírus mata, sim”. Acrescentou que deixar as pessoas sem poder trabalhar as deixaria prejudicadas financeiramente e com a saúde fragilizada.

“O remédio tem que ser proporcional, senão mata”, disse.

O presidente voltou a comentar sobre Witzel num outro momento, na mesma entrevista aos jornalistas no Alvorada. “Vi ontem o decreto do governador do Rio e confesso que fiquei preocupado. Parece que o Rio é outro país”, afirmou.

Bolsonaro foi questionado sobre os panelaços contra o seu governo, realizados em algumas cidades do Brasil. Respondeu que não está preocupado com esse assunto.

“Estou preocupado com o vírus, com a saúde e com o emprego do povo brasileiro. Qualquer panelaço, qualquer coisa que venha a acontecer, é manifestação democrática. Toca o barco”, afirmou.

O presidente também disse que, se houvesse 1 panelaço contra a TV Globo, haveria grande adesão popular:

“Eu não vou marcar panelaço contra a Globo, mas, se marcarem contra a Globo ou contra algumas autoridades que estão por aí, vai ser ensurdecedor.”

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Municípios
Últimas notícias
Mais lidas