Rio de Janeiro

Bolsonaro critica Witzel por querer impedir voos para o Rio de Janeiro

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), criticou hoje o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), por pedir a suspensão da chegada de voos de estados onde forem confirmadas contaminações pelo novo coronavírus.

20/03/2020 12h34
Por: Folha
Fonte: UOL
Arquivo Web
Arquivo Web

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), criticou hoje o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), por pedir a suspensão da chegada de voos de estados onde forem confirmadas contaminações pelo novo coronavírus.

Bolsonaro reforçou a posição da Anac de que a competência para o assunto é do Governo Federal e disse que as medidas do Rio de Janeiro estão destoando do restante do país. O presidente ainda fez críticas, sem especificar, a outros governos estaduais.

"Eles vão querer jogar a responsabilidade em mim.... A economia está parando, está parando. Estão tomando medidas, no meu entender, exageradas. Fechar aeroporto no Rio de Janeiro. Não compete a ele, meu Deus do céu. A Anac está à disposição. Vi o decreto do governador do Rio e confesso que fiquei preocupado, parece que o Rio de Janeiro é um outro país. Não é outro país. É uma federação", disse.

Em seu decreto, Witzel cita os seguintes estados que passariam a sofrer restrições de aterrissagem e chegada por via terrestre ao Rio: "São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Distrito Federal e demais estados em que a circulação do vírus for confirmada ou situação de emergência decretada".

Para Bolsonaro, é preciso ter harmonia nas medidas contra a disseminação do novo coronavírus no Brasil.

"Tem certos governadores, criticando de novo, que estão tomando medidas extremas, que não competem a eles. Fechar aeroporto, fechar rodovias, não compete a eles. Fechar shopping, etc, fechar feira... Se o comércio para, o pessoal não tem o que comer", disse.

"Precisamos de medidas equilibradas e não levar pânico. Daqui a pouco vão ter problemas de saques, temos que buscar evitar isso. Evitar que a curva seja acentuada. Vamos superar juntos isso aí", disse.

Jair Bolsonaro voltou ainda a defender sua postura diante da expansão do novo coronavírus. "Não posso levar para o extremismo. Eu não posso, como chefe de estado, sair gritando por aí 'vai morrer todo mundo, não tem jeito'. Não podemos entrar nessa situação, no pânico. Piora a situação do Brasil. Tenho que falar a verdade e transmitir tranquilidade ao povo brasileiro".

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Municípios
Últimas notícias
Mais lidas