Terça, 26 de Maio de 2020
51993949307
Geral Regina Duarte

A demissão humilhante de Regina Duarte, aquela vendeu a alma para virar o pum do palhaço Bolsonaro

Regina entrou no mesmo túnel para nunca mais voltar.

20/05/2020 11h27
Por: Folha Fonte: DCM
Arquivo Web
Arquivo Web

Bolsonaro matou Regina Duarte — com anuência da própria, evidentemente.

A ex-atriz tentou de tudo para agradar o chefe.

Puxou-lhe o saco na campanha, fez discurso sobre o pum do palhaço, demitiu, readmitiu e mandou embora de novo funcionários.

Deu uma entrevista psicótica à CNN em que zombou de artistas mortos, elogiou a tortura, relativizou o coronavírus.

Tudo isso para quê?

Para ser defenestrada pelo tiozão fascista que abraçou.

“Regina Duarte relatou que sente falta de sua família, mas para que ela possa continuar contribuindo com o Governo e a Cultura Brasileira assumirá, em alguns dias, a Cinemateca em SP. Nos próximos dias, durante a transição, será mostrado o trabalho já realizado nos últimos 60 dias”, afirmou o sujeito nas redes.

Não tem trabalho nenhum. Só fiasco.

No filme “Mephisto”, clássico de István Szabó, um ator cai nas graças dos nazistas, vende a alma para o mal e passa a trabalhar para Hitler.

Numa cena ele vai a Paris como porta-voz dos assuntos culturais do regime e encontra Juliette, sua ex, que lhe pede para desertar e junta-se à resistência.

Ele dá um sorriso e responde: “O que eu poderia fazer aqui? Liberdade? Para quê?” Em seguida entra no túnel do metrô.

Regina entrou no mesmo túnel para nunca mais voltar.

Do pum veio, ao pum voltará.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias