Segunda, 10 de Agosto de 2020
51993949307
Geral Militares

Percepção interna dos militares é que ‘se meteram num atoleiro’ na gestão Bolsonaro com a pandemia

Exatos dois meses após Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Governo) terem minimizado, em coletiva, o impacto da covid-19 no País, é cada vez maior a percepção, dentro e fora das Forças, de que os militares se meteram num atoleiro

15/07/2020 09h21
Por: Folha Fonte: DCM
Arquivo web
Arquivo web

Exatos dois meses após Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Governo) terem minimizado, em coletiva, o impacto  da covid-19 no País,  é cada vez maior a percepção, dentro e fora das Forças, de que os militares se meteram num atoleiro. Em 15 de maio, quando a dupla de ministros-generais espremeu dados para dizer que comparações entre países deveriam ser proporcionais a suas populações, o Brasil somava quase 15 mil mortes. Desde então,  mais 60 mil brasileiros morreram. É o nosso Vietnã, comparou um militar à Coluna.

Logo após a entrevista de Braga Netto e Ramos, em 15 de maio passado, médicos e cientistas disseram que o recorte de mortes por milhão de habitantes induzia a entendimentos equivocados quanto ao perigo do coronavírus.

Continua depois da publicidade

Não deu outra. O impasse colocado neste momento, em linhas gerais, é: se deixar o Ministério da Saúde sem ter apresentado resultados expressivos, Eduardo Pazuello sairá chamuscado da experiência, e a propalada “eficiência gerencial” das Forças ficará abalada. A enorme quantidade de comprimidos de cloroquina encalhados nos laboratórios do Exército enquanto faltam medicamentos nas UTIs dá uma ideia do problema.

(…)

Continua depois da publicidade
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias