Segunda, 08 de Março de 2021
51993949307
Saúde Santa Catarina

Santa Catarina tem Carnaval de praias lotadas e colapso na saúde

No Brasil, a vida não vale nada

16/02/2021 12h08
Por: Redação
Segunda-feira de Carnaval em Santa Catarina; região Oeste enfrenta colapso na saúde (Foto: Luiz Carlos Souza)
Segunda-feira de Carnaval em Santa Catarina; região Oeste enfrenta colapso na saúde (Foto: Luiz Carlos Souza)

As praias de Santa Catarina amanheceram lotadas nesta segunda-feira de Carnaval. É o caso de Balneário Camboriú, onde imagens registradas pelo repórter cinematográfico Luiz Carlos Souza, da NSC TV, mostram um mar de guarda-sóis.

A movimentação é positiva para o setor do turismo, castigado pela pandemia. Mas as imagens de um feriadão ‘quase normal’ no Litoral contrastam com a explosão de casos de Covid-19 no Oeste do Estado, que já transferiu mais de 100 pacientes por falta de leitos de UTI.

Continua depois da publicidade

A situação é dramática, e isso ficou muito claro na fala do prefeito de Chapecó, João Rodrigues, quando ele disse que nem com R$ 1 milhão no bolso é possível a um cidadão conseguir uma vaga de terapia intensiva na cidade.

A situação do Oeste já chama atenção de todo o país, mobilizou um Gabinete de Crise do Governo do Estado e deveria acender o alerta para toda Santa Catarina, onde o índice de ocupação das UTIs voltou ao perigoso patamar médio de 80% no fim de semana.

Continua depois da publicidade

A região Sul de SC, que vinha em situação relativamente confortável, voltou a crescer nos índices de ocupação nos últimos dias. Planalto Norte, Grande Florianópolis, Meio Oeste e Serra estão acima da média estadual.

Apesar disso, não temos controle de fronteiras ou acompanhamento de circulação entre as regiões, por exemplo – medida recomendada por especialistas para ajudar a conter novos picos de transmissão. A medida seria importante no momento em que uma nova variante, mais transmissível, circula no país.

O esforço de fiscalização também parece deficiente. O Carnaval pode ter sido ‘cancelado’ oficialmente pelo Estado, mas os foliões não tiveram dificuldade alguma para encontrar festas que, em tese, estão proibidas. Falta adesão até ao uso obrigatório de máscaras, o que aponta para falta de controle e de comunicação.

Continua depois da publicidade

O caos do Oeste é um lembrete e uma prova de que, enquanto não tivermos vacinação em massa, o vírus continuará sendo uma ameaça grave ao sistema de saúde. Não é hora de baixar a guarda.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias