Sábado, 10 de Abril de 2021
51993949307
Política Venezuela

Guedes se revolta e ataca 'o petróleo é nosso': "Para virar a Argentina, seis meses. Para virar Venezuela, um ano e meio"

O ministro da Economia se revoltou com a mudança no comando da Petrobras promovida por Jair Bolsonaro. "Para virar a Argentina, seis meses. Para virar Venezuela, um ano e meio. Se fizer errado, vai rápido. Agora, quer virar Alemanha, Estados Unidos? [São necessários] dez, quinze anos na outra direção", disse

02/03/2021 19h37
Por: Redação Fonte: Brasil 247
(Foto: Marcos Corrêa/PR)
(Foto: Marcos Corrêa/PR)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, se revoltou com a política econômica do 'petróleo é nosso', recentemente defendida por Jair Bolsonaro, e disse que o Brasil periga virar uma Argentina ou Venezuela caso sua agenda neoliberal não seja seguida à risca.

Durante uma conversa gravada na sexta-feira (26) e veiculada nesta terça (2) no podcast Primocast, o ministro comparou a trajetória dos países vizinhos: "Para virar a Argentina, seis meses. Para virar Venezuela, um ano e meio. Se fizer errado, vai rápido. Agora, quer virar Alemanha, Estados Unidos? [São necessários] dez, quinze anos na outra direção".

Continua depois da publicidade

"Você prefere juro baixo, muito investimento, emprego, renda, Bolsa subindo, todo mundo ganhando, estourando champagne, um país da prosperidade, ou prefere ir para a Venezuela?", acrescentou.

Em um trecho, Guedes critica a frase 'o petróleo é nosso', lema da estatização utilizado pelo presidente Bolsonaro para defender a nomeação de Joaquim Silva e Luna para a presidência da Petrobras: 

Continua depois da publicidade

"Em certo momento, o ministro chegou a criticar uma frase usada recentemente pelo próprio Bolsonaro. "Tem uma turma que começa: 'o petróleo é nosso'. É nosso? Então dá para a gente. Vamos dar para o povo brasileiro. Vamos pegar os dividendos da Petrobras e entregar uma parte para o povo brasileiro", afirmou Guedes. Ou paga dividendos ou vende e dá dinheiro para eles. O que não pode é ficar gerando prejuízo para eles", disse.

Uma reportagem da Veja da última sexta destaca que o ministro se sente um "general ferido" pela mudança na Petrobras: "Presidente, o senhor está ferindo o seu general. Na hora em que eu ganho a batalha, o senhor me dá um tiro", disse o ministro em reunião com Bolsonaro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias