Quarta, 22 de Setembro de 2021
51993949307
Política Gravataí

Cláudio Ávila: “Zaffalon ignora situação crítica de comerciantes, mas quer dar milhões à SOGIL”

Em Gravataí, cidade da região metropolitana do Rio Grande do Sul, o vereador Cláudio Ávila defende o auxílio a comerciantes, empreendedores e famílias de baixa renda ao invés de qualquer repasse de dinheiro público à concessionária do transporte municipal. Veja o vídeo:

23/04/2021 16h52 Atualizada há 5 meses
Por: Redação
Vereador Cláudio Ávila e prefeito Luiz Zaffalon
Vereador Cláudio Ávila e prefeito Luiz Zaffalon

Em Gravataí, cidade da região metropolitana do Rio Grande do Sul, o vereador Cláudio Ávila defende o auxílio a comerciantes, empreendedores e famílias de baixa renda ao invés de qualquer repasse de dinheiro público à concessionária do transporte municipal. Veja o vídeo:

Continua depois da publicidade

Em meio à crise pandêmica e econômica, o município de Gravataí, localizado na região metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, oferece menos de 150 cestas básicas às pessoas em situação de vulnerabilidade e não adota novas medidas que beneficiem os comerciantes, empreendedores e trabalhadores em geral. Dentro deste cenário, os milhões de reais que poderiam ser destinados a essas áreas estão sendo oferecidos à SOGIL, empresa que há 67 anos explora o transporte público municipal.

O pior que a culpa não é apenas da empresa, mas sim do gestor, o prefeito Luiz Zaffalon, que não prioriza as pessoas e os que mais precisam. Não há elementos convincentes no Legislativo que autorizem de forma segura o repasse pleiteado pela SOGIL e aceito pelo município. O que há de fato são famílias passando fome e o comércio e demais empregadores sem quaisquer proteção, incentivos ou subsídios do poder público. 

Continua depois da publicidade

“Devem haver prioridades e paridades. A SOGIL, em homenagem a tudo que os gravataienses lhe possibilitaram ao longo de décadas, deveria ficar por último ou nem estar nas prioridades do caixa do município!”, explica o vereador.

Vereador faz frente contra repasse milionário de dinheiro público

O vereador Cláudio Ávila protocolou nos últimos dias diversas emendas ao Projeto de Lei do Executivo 26/2021, que quer destinar à SOGIL quase 10 milhões de reais em adiantamentos, subsídios e remodelações contratuais. Os objetivos das reivindicações são frear o rombo aos cofres públicos, garantir a transparência do poder Executivo e prestar assistência às famílias em situação de vulnerabilidade social, ao comércio, demais empresas e empreendedores. 

Continua depois da publicidade

Dentre as emendas de Cláudio Ávila, destaca-se a proibição de repasses à empresa responsável pelo transporte público municipal neste ano, sendo eles de qualquer espécie de reequilíbrio ou subsídio. Também foi requerida a suspensão de aumento ou reajuste na tarifa do transporte público municipal até o dia 31 de dezembro de 2021. Além disso, a obrigatoriedade da manutenção dos empregos dos cobradores de ônibus, motoristas e demais trabalhadores está entre as bandeiras defendidas pelo vereador.

As emendas, caso sejam aprovadas, garantirão assistência às pessoas com deficiência, estudantes e idosos que usufruem das isenções das tarifas, já que o projeto criado pelo prefeito Luiz Zaffalon prevê a revisão e redução destes benefícios. Outro ponto defendido por Cláudio Ávila é a manutenção e ampliação da oferta do transporte escolar público, alvo do Projeto de Lei do Executivo 26/2021, que visa reduzir o programa e fazer com que as linhas municipais absorvam a demanda existente.

Prezando pela transparência aos gravataienses, o vereador propôs que os contratos de concessão do transporte público, assim como seus anexos e aditivos, devem estar disponíveis à população em todos os sites da Prefeitura, especialmente no Portal da Transparência. Além disso, na lista de emendas, há o pedido de criação da comissão mista entre membros da sociedade civil, do Conselho do Transporte Municipal e agentes políticos para monitorar assuntos pertinentes à mobilidade urbana. 

Continua depois da publicidade

O referido Projeto de Lei do Executivo traz como anexo um Termo já firmado em caráter irrevogável pela Prefeitura com a SOGIL, sem qualquer autorização legislativa, impondo diversas cobranças, burocracias, prazos e despesas novas aos motoristas e usuários do transporte por aplicativos. A última emenda protocolada pelo vereador veta o aumento dessas exigências enquanto perdurarem os efeitos da pandemia, beneficiando diretamente a vida de quem utiliza os aplicativos como meio de transporte ou faz das corridas o sustento de seus familiares.

“Todas as ações foram realizadas pelo nosso gabinete porque não podemos permitir que a população pague a conta de quase 10 milhões de reais a uma única empresa enquanto a Prefeitura alega não ter condições de ampliar a compra de cestas básicas às famílias mais carentes, nem apresenta novas medidas que auxiliem o povo trabalhador”, conclui Cláudio Ávila, que já deu seu parecer contrário ao Projeto.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias