Domingo, 27 de Setembro de 2020
51993949307
Internacional Visita

Empresários que exportam para países árabes já estimam perdas após viagem de Bolsonaro a Israel

Presidente do órgão, Rubens Hannun falou em “movimento desnecessário” por parte do governo brasileiro e confirmou a insatisfação entre os representantes diplomáticos árabes.

02/04/2019 08h58
Por: Folha Fonte: Revista Forum
Foto Reprodução
Foto Reprodução

Em entrevista a Vladimir Goitia, no Portal UOL nesta terça-feira, antigos e atuais membros da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira acreditam que a postura de Jair Bolsonaro (PSL) em relação a Israel levará o Brasil a perder espaço no mercado de exportações de produtos importantes para a balança comercial, como carne bovina, frango, soja e milho.

 

Presidente do órgão, Rubens Hannun falou em “movimento desnecessário” por parte do governo brasileiro e confirmou a insatisfação entre os representantes diplomáticos árabes.

Continua depois da publicidade

“Acho que deve haver um impacto no comércio, mas não há como quantificar”, pontuou.

Michel Alaby atuou na Câmara por 35 anos e lamenta que as relações comerciais construídas ao longo de quatro décadas possam agora ser afetadas, levando o Brasil a perder espaço para outros fornecedores, como Índia, Turquia, Argentina e até Estados Unidos.

Continua depois da publicidade

A Liga Árabe reúne 22 países e foi responsável por US$ 11,49 bilhões na importação de produtos brasileiros em 2018. Os números, contudo, já foram melhores. Em 2017, foram US$ 13,59 bilhões.

 

“Levamos mais de 40 anos para conquistar o mercado dos países árabes e, agora, por uma impropriedade, podemos sofrer retaliações, embora não tenha como ser mensurado isso no momento porque os contratos de exportação são de médio e longo prazos com os fornecedores”, afirmou Alaby.

O Brasil é o maior exportador de carne “halal” – que segue o ritual islâmico para o abate de animais, motivo pelo qual ele acredita que Bolsonaro não deveria se alinhar aos Estados Unidos na postura diplomática.

Continua depois da publicidade

Mesmo a abertura de apenas um escritório de negócios em Jerusalém, em vez da transferência da embaixada para lá, não deve minimizar a insatisfação dos países árabes, que criticam a transferência da capital israelense para Jerusalém – território em disputa com os palestinos.

 

Bolsonaro cumpre agenda oficial em Israel.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias