Sexta, 25 de Setembro de 2020
51993949307
Educação Amazonas

Bolsonaro retira projeto que criaria 2 novas universidades federais no AM

As duas novas universidades previstas pelo projeto estariam no interior do Amazonas: a Universidade Federal do Médio e Baixo Amazonas (Ufembam) e a Universidade Federal do Médio e Alto Solimões (Ufemas).

03/04/2019 09h36
Por: Redação Fonte: Revista Fórum
O presidente da República Jair Bolsonaro Foto: Jorge William / Agência O Globo
O presidente da República Jair Bolsonaro Foto: Jorge William / Agência O Globo

Sem apresentar justificativas, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) retirou do Congresso a proposta de criação de duas novas universidades – ambas no estado do Amazonas – e de três institutos federais de educação – dois em São Paulo e um na Bahia.

 

O Projeto de Lei, que trazia ainda outras alterações na rede de educação do governo, foi assinado pelo então presidente Michel Temer (MDB), no fim de dezembro do ano passado.

Continua depois da publicidade

A tramitação na Câmara começou em janeiro e a realização de audiência pública para discutir o assunto já havia sido aprovada pela Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e Integração da Amazônia (Cindra), por iniciativa do deputado federal José Ricardo (PT-MA) – que classifica como “retrocesso” a medida de Bolsonaro.

 

“O governo atual não tem interesse em fortalecer o ensino superior. Vi isso na audiência com ministro da Educação [Ricardo Vélez Rodríguez]. Indaguei a ele, que, secamente, falou que não é prioridade e não tem recursos”, conta o parlamentar.

Continua depois da publicidade

José Ricardo diz ainda que, se Bolsonaro não rever a PEC do Teto, que congelou os investimentos federais, limitando os gatos à variação da inflação, não haverá avanços no setor nas próximas duas décadas.

 

Estratégico

As duas novas universidades previstas pelo projeto estariam no interior do Amazonas: a Universidade Federal do Médio e Baixo Amazonas (Ufembam) e a Universidade Federal do Médio e Alto Solimões (Ufemas).

Continua depois da publicidade

A segunda teria sede em Coari (AM) e, segundo o deputado José Ricardo, desempenharia papel estratégico para o desenvolvimento da região e até no âmbito da soberania nacional, por estar em área de fronteira com países, como a Colômbia e o Peru.

“Tem o narcotráfico atuando muito forte na região e, às vezes, até se utilizando de mão de obra indígena. Uma universidade cria perspectivas novas, atrai empreendimentos, força a barra para ter investimentos em logística, comunicações, internet”, elenca.

 

O parlamentar, que pedia a criação das universidades já em seu mandato como deputado estadual, reconhece que o projeto de Temer retirado por Bolsonaro implicava em outras discussões políticas, como a redução da estrutura da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), mas acredita que os devidos ajustes poderiam ser promovidos durante a tramitação do projeto no Congresso.

Continua depois da publicidade
 

“[A UFAM] tem presença no interior, porque expandiu muito no governo Lula. Mas não é fácil vencer as distâncias e o custo amazônico (…) Se não fossem aprovadas duas novas universidades, ao menos uma já seria um passo importante, mas, agora, estamos sem nada (…) A retirada foi feita sem diálogo com ninguém”, pontua.

Novos institutos e as metas do PNE

Ainda sob o governo Temer, o Ministério da Educação (MEC) justificou a iniciativa pela necessidade de suprir a carência de cursos superiores no Amazonas – o maior estado do País em federal.

Já a criação de novos institutos da Rede Federal de Educação, Científica e Tecnológica em São José do Rio Preto (SP), Campinas (SP) e Ilhéus (BA) contribuiriam com o cumprimento de metas do Plano Nacional de Educação (PNE), que prevê 430 mil novas matrículas a cada ano até 2024.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias