Quarta, 22 de Setembro de 2021
51993949307
Geral PM

PMs de diversos estados convocam para ato golpista de 7 de setembro

Caso do coronel Aleksander Lacerda, afastado por Doria, não é isolado; presidentes de vários partidos elogiaram atitude do governador de São Paulo

24/08/2021 13h51 Atualizada há 4 semanas
Por: Folha
Arquivo Web
Arquivo Web

O chefe do Comando de Policiamento do Interior-7 da Polícia Militar de São Paulo, coronel Aleksander Lacerda, afastado do cargo pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), por insuflar a participação de “amigos” nas manifestações de 7 de Setembro, não é um caso isolado.

Vários outros PMs da ativa e da reserva tem feito convocações para o ato do dia da Independência.

Continua depois da publicidade

De acordo com levantamento do Estadão, PMs de diferentes estados e de várias patentes tem sido reforçadas ainda por deputados PMs. Há pessoal da ativa e da reserva incentivando manifestações em São Paulo, Rio, Santa Catarina, Espírito Santo, Ceará e Paraíba.

O medo de ruptura ligada às PMS faz parte do cenário traçado por oficiais-generais e ex-ministros da Defesa como Raul Jungmann.

Continua depois da publicidade

Em reunião com a participação de 25 governadores preocupação com os atos foi compartilhada. Na conversa foi destacado que o que tem marcado a organização dos atos é o caráter de apoio a uma ruptura institucional, com ameaças de invasão do Supremo Tribunal Federal e do Congresso.

O repórter Vinicius Valfré, do Estadão, questionou a principal organização dos policiais, a Associação Nacional de Entidades Representativas de Policiais Militares e Bombeiros Militares, se tem orientado a participação nos atos. A instituição declarou que “ainda não deliberou”. Haverá uma reunião na próxima quinta-feira, e o tema poderá ser tratado. Ao contrário de integrantes da ativa, homens da reserva podem participar de manifestações.

O incentivo à manifestação em favor do presidente por parte de militares da ativa é visto como pontual na cúpula das PMs. “Dentro de um cenário nacional, há uma sinalização para a generalização desses posicionamentos”, disse o coronel Euller Chaves, presidente do Conselho Nacional de Comandantes-Gerais das PMs.

Continua depois da publicidade
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias