Terça, 26 de Outubro de 2021
51993949307
Geral Operação

Delegado amigo de Eduardo Bolsonaro inventou prisão de chefe do PCC e simulou operações

Segundo policiais, o delegado da Polícia Civil Carlos Alberto da Cunha, de 43 anos, celebridade nas redes sociais pelo seu canal no YouTube, inventou prisão de chefe do Primeiro Comando da Capital (PCC) e simulou operações. Tudo isso para ganhar seguidores na internet.

22/09/2021 13h56
Por: Folha
Arquivo Web
Arquivo Web

Segundo policiais, o delegado da Polícia Civil Carlos Alberto da Cunha, de 43 anos, celebridade nas redes sociais pelo seu canal no YouTube, inventou prisão de chefe do Primeiro Comando da Capital (PCC) e simulou operações. Tudo isso para ganhar seguidores na internet.

Da Cunha também é amigo do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho 03 do presidente.

Continua depois da publicidade

No vídeo que está em destaque no canal do delegado Da Cunha no Youtube, ele aparece encostando na porta de um barraco da favela da Nhocuné, na zona leste de São Paulo, para, na sequência, ordenar a invasão do local. Com o pé na porta, gritaram: “polícia! Deita, deita”. A operação foi em julho de 2020.

Era o cativeiro de um homem sequestrado no dia anterior por criminosos do PCC e que seria submetido ao chamado “tribunal do crime”. As imagens do suspeito sendo preso e da vítima sendo posta em liberdade foram compartilhadas com emissoras de TV.

Continua depois da publicidade

Segundo depoimentos obtidos pelo jornal Folha de S. Paulo, aquilo não passou de uma encenação. Uma de muitas interpretadas pelo delegado para ganhar seguidores nas redes sociais, segundo os próprios colegas que trabalharam com ele.

A vítima já tinha sido liberada momentos antes por outros policiais (Patrick e Ronald), mas acabou colocada novamente no cativeiro em poder do sequestrador para que a simulação fosse filmada, como se tivesse sido Da Cunha o responsável pela prisão.

De acordo com a vítima, Da Cunha afirmou que a encenação seria necessária para produção de prova material. Depois, soube que a gravação, na verdade, não era para o processo e sim para o canal do YouTube do delegado.

Continua depois da publicidade
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias