Terça, 26 de Outubro de 2021
51993949307
Geral Mercosul

Parlamento do Mercosul condena Bolsonaro por celebrar ditaduras

O Parlamento do Mercosul condenou Jair Bolsonaro por apoio às ditaduras na América Latina. Nesta quarta (29), foi aprovada uma declaração contra as celebrações do presidente sobre o golpe de 1964 e outras rupturas institucionais.

30/09/2021 10h05
Por: Folha
Arquivo Web
Arquivo Web

O Parlamento do Mercosul condenou Jair Bolsonaro por apoio às ditaduras na América Latina. Nesta quarta (29), foi aprovada uma declaração contra as celebrações do presidente sobre o golpe de 1964 e outras rupturas institucionais.

 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

O texto, proposto pela deputada Fernanda Melchionna, foi aprovado e mostra que o parlamento repudia o comportamento do mandatário, segundo a coluna de Jamil Chade no UOL. As decisões do órgão não são vinculantes, mas revelam o mal-estar do Cone Sul com o presidente do maior país do bloco.

 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

“O Parlamento do Mercosul declara sua condenação aos ataques contra a memória, verdade e justiça expressos nas declarações do presidente Jair Bolsonaro e membros de seu governo sobre o golpe de 1964 no Brasil e sobra a ditadura neste e em outros países latino-americanos”, diz o texto.

Parlamento que criticou Bolsonaro tem deputados e senadores de diversos países

O Parlamento do Mercosul conta com deputados e senadores do Brasil, Paraguai, Uruguai, Bolívia e Venezuela. O grupo afirmou que “rechaça qualquer tipo de celebração do golpe de 64”. Também disse que o comportamento do presidente é “contrário às bases da democracia” e “constitui uma ofensa contra a história dos países”. O texto lembra as obrigações do Brasil com o direito à memória, verdade e justiça.

Continua depois da publicidade

O parlamento lembra que o presidente negou que tenha existido uma ditadura no país. Também que o ex-chanceler Ernesto Araújo insistiu na ideia de contragolpe. Por fim, destaca que ele homenageou o ditador paraguaio Alfredo Stroessner e ministros elogiaram Augusto Pinochet.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias