Terça, 30 de Novembro de 2021
51993949307
Educação Bolsonaro

Filha de Bolsonaro será matriculada em Colégio Militar sem processo seletivo

Pedido em caráter excepcional foi feito pelo presidente e atendido pelo comandante do Exército; filho de Carla Zambelli puxou a fila

28/10/2021 13h04
Por: Folha
Arquivo Web
Arquivo Web

O presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) pediu e o comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira atendeu. Laura Bolsonaro, de 11 anos, filha do presidente, será matriculada no Colégio Militar de Brasília de forma excepcional, sem passar pelo processo seletivo existente.

A Folha revelou o pedido do presidente, que foi finalmente atendido, ainda no dia 25 de agosto.

Continua depois da publicidade

De acordo com informação do próprio Centro de Comunicação Social do Exército, no final da tarde desta quarta-feira (27), a decisão do comandante foi favorável ao pleito do presidente.

O Departamento de Educação e Cultura do Exército, o Decex, subsidiou a decisão de Oliveira:

Continua depois da publicidade

“O Decex apresentou parecer favorável à solicitação de matrícula. Posteriormente, o caso foi submetido ao gabinete do comandante do Exército para análise. Cumpridas as etapas descritas, o processo foi levado ao comandante, que emitiu despacho decisório deferindo a solicitação de matrícula em caráter excepcional”, afirmou a Força.

O Exército prossegue: “a menor é dependente legal do presidente da República, comandante supremo das Forças Armadas, nos termos do inciso XIII do artigo 84, da Constituição Federal. O regulamento mencionado faculta ao comandante do Exército apreciar casos considerados especiais, ouvido o Decex, conforme justificativa apresentada pelo eventual interessado”.

A matrícula de Laura sem concurso, no ano letivo de 2022, repete o benefício dado ao filho da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). No ano passado, o menino de 11 anos foi matriculado no colégio, sem seleção, para cursar o sexto ano.

Continua depois da publicidade

Zambelli é uma das principais apoiadoras de Bolsonaro. A deputada admitiu o privilégio, mas negou irregularidades.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias