Terça, 30 de Novembro de 2021
51993949307
Geral Bolsonaro

Bolsonaro não leu a prova do ENEM: ''Não tem paciência para grandes leituras'', diz aliado

O governo Bolsonaro foi acusado de interferir na prova do Enem

17/11/2021 14h09
Por: Folha
Arquivo Web
Arquivo Web

O governo Bolsonaro foi acusado de interferir na prova do Enem. Mas pessoas próximas garantem que o presidente não teve acesso. Isto porque ele não fez a mínima questão em ler as perguntas, porque não gosta de leituras longas.

“O presidente não tem paciência para grandes leituras. A preferência dele é um jornal, uma revista. Muito difícil ele ler um livro, por exemplo. Ele gosta mesmo é de ver TV e falar no WhatsApp”, afirmou um aliado da base do Centrão.

Continua depois da publicidade

Porém, o deputado que não quis ser identificado, acredita que o governo interferiu na prova. “Todo mundo no Congresso tem convicção que teve interferência. Agora é preciso descobrir quem foi. Alguém vai ter que assumir a responsabilidade”, comentou.

Questionado sobre como o Centrão irá agir para apagar o “incêndio”, o parlamentar foi firme: “Somos da base do governo, mas tudo tem limite. Se provar que alguém interferiu, vai ter que responder. É assim que funciona”, explicou.

Continua depois da publicidade

Bolsonaro e o Enem

O governo Bolsonaro cortou questões do próximo Enem. O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) passou a imprimir a prova previamente. O procedimento é inédito e não foi adotado em anos anteriores. Com isso, mais pessoas tiveram acesso ao Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) antes da aplicação. A informação é do Estado de S. Paulo.

Quem examinou a primeira versão foi o diretor de Avaliação da Educação Básica do Inep, Anderson Oliveira, que está no cargo desde maio. 24 questões foram retiradas da prova após “leitura crítica”. Algumas dela foram consideradas “sensíveis”.

Continua depois da publicidade

A retirada de questões da prova para deixá-la com a “cara” do governo, deixou o Enem descalibrado. O exame tem uma quantidade de questões consideradas fáceis, médias e difíceis. 13 das questões suprimidas foram reinseridas após constatar que houve mudanças no nível de dificuldade.

Segundo servidores, Danilo Dupas, atual presidente do instituto, deixou claro que a prova não poderia ter perguntas consideradas inadequadas pelo governo. A pressão é entendida por servidores como um assédio moral. Relatam ainda que a pressão atual já levou a autocensura dos grupos que escolhem as questões.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias