Terça, 18 de Janeiro de 2022
51993949307
Geral Rachadinha

Pastor que recebeu quase R$ 4 mi de Bolsonaro diz que apoia presidente e que rachadinha ''faz parte''

O pastor Robson Rodovalho, bispo fundador da igreja Sara Nossa Terra e um dos líderes evangélicos que mais se engajaram na campanha pela ida de André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal (STF)

06/12/2021 10h49
Por: Folha
Arquivo Web
Arquivo Web

O pastor Robson Rodovalho, bispo fundador da igreja Sara Nossa Terra e um dos líderes evangélicos que mais se engajaram na campanha pela ida de André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal (STF),  acredita que, depois do Executivo e do Legislativo, é hora de ampliar ainda mais os espaços do segmento no Judiciário.

Pastor que recebeu milhões de Bolsonaro

Continua depois da publicidade

Acredite se quiser, em quase três anos de governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), a igreja evangélica Sara Nossa Terra recebeu cerca de 3,7 milhões de reais para a divulgação de publicidade do governo federal.

Rodovalho deu entrevista ao jornal O Globo.

Continua depois da publicidade

“Não incomodam as agendas conflitantes com os evangélicos como a defesa das armas e da liberação do jogo?

No campo das armas, muitos evangélicos são a favor da posse. Há uma sensação generalizada da impotência do Estado no campo da segurança pública. No jogo, é verdade, a maioria é contra, eu inclusive. Mas há pessoas a favor por entender que é possível desenvolver regiões estagnadas. Todas as nações colonizadas e que viram o protestantismo se expandir como Estados Unidos, Canadá, Inglaterra e Austrália são lenientes com a questão do jogo.

Não incomodam sequer as denúncias de rachadinha contra os filhos do presidente?

Continua depois da publicidade

Rachadinha faz parte do ambiente da política e a oposição maximiza esse tema. Para isso tem a Justiça, cabe a ela condenar ou absolver. Não podemos fazer julgamentos prematuros.

Como vê as sinalizações de presidenciáveis para os evangélicos como os gestos do ex-presidente Lula?

É natural, mas não basta conversar, é preciso se comprometer com certos valores. O PT já fez isso lá atrás. Fizemos alguns acordos com Lula e Dilma em temas como ideologia de gênero nas escolas e pautas LGBT. Eu, (pastor Silas) Malafaia e (bispo Edir) Macedo apoiamos o PT no passado. Acreditamos nos acordos estabelecidos porque, em vários momentos, candidatos do PSDB não aceitaram o que queríamos. Com o tempo, o PT acabou não cumprindo os acordos e implantou uma agenda contrária ao que acreditamos, atropelando os valores familiares”.

Continua depois da publicidade
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias